Trabalhadores em condições degradantes são resgatados em São Luís -MA

Trabalhadores em condições degradantes são resgatados em São Luís -MA

Entre os dias 14 e 24 de setembro, a Defensoria Pública da União (DPU) integrou uma ação itinerante de combate ao trabalho escravo. A operação foi iniciativa do Grupo Especial de Fiscalização Móvel (GEFM) e contou também com a participação do Ministério Público do Trabalho (MPT), da Polícia Federal (PF) e do Ministério da Economia (ME). O projeto, que faz parte do Programa ‘’Eu Tenho Direito’’, fiscalizou quatro propriedades rurais no estado do Maranhão.

De acordo com o defensor público federal Walter Queiroz Noronha, que participou da ação, foram resgatados dois trabalhadores que se encontravam em condições degradantes de trabalho. Eles exerciam atividade de roço de pasto, preparo de solo para plantio de soja e aplicação de veneno, com ausência de água potável no alojamento e na frente de trabalho. Além disso, estavam em péssimas condições de alojamento: um dos trabalhadores residia em barraco de lona, sem banheiro, cozinha e lavanderia.

Os trabalhadores também não contavam com equipamento de proteção individual (EPIs), essenciais para trabalhar com a aplicação de agrotóxicos. O pagamento era feito de forma irregular, com ausência de concessão de férias, pagamento de 13º salário e Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS). O cumprimento da jornada de trabalho era superior ao limite legal, sem pagamento de horas extras e um dos trabalhadores era idoso, com 68 anos de idade.

Na mesma ação, dois adolescentes foram afastados das atividades, pois exerciam trabalho proibido. Eles trabalhavam no corte de cana de açúcar, atividade considerada prejudicial à saúde e, portanto, proibida para menores de 18 anos.

Segundo Noronha, a DPU ainda firmou três termos de ajustamento de conduta para o pagamento de verbas rescisórias e de dano moral individual aos trabalhadores resgatados e aos menores afastados. No total, foram pagos R$ 39.188,00 de verbas rescisórias e R$ 83.318,00 de danos morais. ‘’A Defensoria encaminhou os trabalhadores aos órgãos de assistência social locais e irá acompanhar a execução dos compromissos assinados como os empregadores’’, finaliza o defensor.

Fonte: Asscom DPU

Leia mais

No Amazonas, militar que responde processo não tem direito ao afastamento para reserva remunerada

O Militar que responde inquérito ou processo em qualquer jurisdição não tem direito ao afastamento para a reserva remunerada, assim concluiu o Pleno do...

Violência Doméstica: Homem é condenado pelo TJAM por ameaçar atear fogo em casa

Luís Carlos Moreira Maciel foi condenado ante o juízo da Vara Única de Nova Olinda do Norte após ser julgada procedente ação penal promovida...

Mais Lidas

Justiça do Amazonas garante o direito de mulher permanecer com o nome de casada após divórcio

O desembargador Flávio Humberto Pascarelli, da 3ª Câmara Cível...

Professora de Manaus ganha direito a indenização por contrato temporário que excede prazo de 2 anos

Nos autos do processo nº 0665343-39.2019.8.04.0001 que tramitou na...

Gratificação de motorista de viatura Militar no Amazonas se aplica ao soldo, decide Tribunal

Nos autos do processo nº 0244691-47.2011, em julgamento de...

Últimas

Acusado de espancar idoso em via pública no Distrito Federal é condenado a 37 anos de prisão

O Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios condenou Gabriel Ferreira de Souza Vidal a 37 anos e...

No Amazonas, militar que responde processo não tem direito ao afastamento para reserva remunerada

O Militar que responde inquérito ou processo em qualquer jurisdição não tem direito ao afastamento para a reserva remunerada,...

Violência Doméstica: Homem é condenado pelo TJAM por ameaçar atear fogo em casa

Luís Carlos Moreira Maciel foi condenado ante o juízo da Vara Única de Nova Olinda do Norte após ser...

Cocaína é substância altamente nociva motivo porque agrava condenação em Manaus

Paulo dos Santos Guedes foi condenado nas penas do artigo 33 da Lei 11.343/2006 pelo juízo da Vara Única...