TJPA condena vendedor a mais de dois anos que casou morte de estudante

TJPA condena vendedor a mais de dois anos que casou morte de estudante

Após nove horas de sessão presidida pela juíza Ângela Alice Alves Tuma, o Conselho de Sentença do 3o Tribunal do Júri de Belém-Pará, considerou que o comerciário Ednelson Silva de Oliveira, 49 anos, cometeu crime de homicídio culposo, que vitimou a estudante Graciele dos Santos Pires, 19 anos e por provocar lesões corporais em Daianny Santos Lopes, 19 .

Com base na decisão dos jurados, que por maioria dos votos acatou uma das teses dos advogados contratados pelo réu Dorivaldo Belém, Michele Tavares Belém e Rodrigo de Oliveira Belém, que desclassificaram o crime para homicídio culposo, a pena imposta foi de 02 anos e 04 meses em regime inicial aberto. Com a condenação o sentenciado tem suspensa a Carteira de Habilitação e os direitos políticos, quando a sentença transitar em julgado.

O promotor de justiça José Rui de Almeida Barboza, que atuou no júri, sustentou a acusação de que o réu cometeu homicido qualificado utilizando de recurso que dificultou ou tornou impossível a vítima de se defender, cuja pena prevista é de 12 a 30 anos, sendo vencida.

No total, seis pessoas compareceram ao júri para depor, uma delas da acusação vizinha do comércio onde as jovens estavam sentadas na calçada, quando foram atingidas pelo veículo, imprensando-as na parede do comércio.

Graciele morreu no local e Daianny foi socorrida e levada para um hospital onde conseguiu sobreviver. Durante a sessão os jurados ouviram as declarações prestadas por Daianny, que relatou que amiga estava incomodada com assédio que vinha enfrentado além dos gracejos de Ednelson de Oliveira.

A jovem sobrevivente mudou de cidade para sua segurança. Em depoimento prestado na fase de instrução do processo, Dayane confirmou que Ednelson costumava falar gracejos para Graciele Pires, que costumava ignorá-los.

Consta no processo que no dia do atropelamento o réu estava lavando um carro de um amigo e que resolveu manobrar, que era costume do cidadão falar gracejos para a colega e esta chegou a xingá-lo de “velho babão”, deixando-o enraivecido com a moça e por isso resolveu se vingar.

Em interrogatório o réu negou que vinha assediando a jovem e alegou que tinha conseguido a Carteira de Habilitação e que se confundiu ao acionar o freio do veículo, acabou deslizando o pé no acelerador tendo o carro imprensando as jovens que ficaram contra a parede do comércio.

O crime ocorreu por volta das 17h do dia 27 de julho de 2012, na Avenida Dalva, Bairro Marambaia, Belém, quando o réu Ednelson Silva de Oliveira, 49 anos, conhecido por Pio Pio, conduzindo um veículo modelo Palio, atropelou as estudantes Graciele dos Santos Pires, 19 anos, e Dayane Santos Lopes também de 19 anos, conversavam na calçada, em frente o estabelecimento comercial. O veículo do réu subiu a calçada e esmagou as jovens na parede do comércio, matando Graciele e lesionando a colega.

Fonte: Asscom TJPA

Leia mais

No Amazonas, militar que responde processo não tem direito ao afastamento para reserva remunerada

O Militar que responde inquérito ou processo em qualquer jurisdição não tem direito ao afastamento para a reserva remunerada, assim concluiu o Pleno do...

Violência Doméstica: Homem é condenado pelo TJAM por ameaçar atear fogo em casa

Luís Carlos Moreira Maciel foi condenado ante o juízo da Vara Única de Nova Olinda do Norte após ser julgada procedente ação penal promovida...

Mais Lidas

Justiça do Amazonas garante o direito de mulher permanecer com o nome de casada após divórcio

O desembargador Flávio Humberto Pascarelli, da 3ª Câmara Cível...

Professora de Manaus ganha direito a indenização por contrato temporário que excede prazo de 2 anos

Nos autos do processo nº 0665343-39.2019.8.04.0001 que tramitou na...

Gratificação de motorista de viatura Militar no Amazonas se aplica ao soldo, decide Tribunal

Nos autos do processo nº 0244691-47.2011, em julgamento de...

Últimas

Acusado de espancar idoso em via pública no Distrito Federal é condenado a 37 anos de prisão

O Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios condenou Gabriel Ferreira de Souza Vidal a 37 anos e...

No Amazonas, militar que responde processo não tem direito ao afastamento para reserva remunerada

O Militar que responde inquérito ou processo em qualquer jurisdição não tem direito ao afastamento para a reserva remunerada,...

Violência Doméstica: Homem é condenado pelo TJAM por ameaçar atear fogo em casa

Luís Carlos Moreira Maciel foi condenado ante o juízo da Vara Única de Nova Olinda do Norte após ser...

Cocaína é substância altamente nociva motivo porque agrava condenação em Manaus

Paulo dos Santos Guedes foi condenado nas penas do artigo 33 da Lei 11.343/2006 pelo juízo da Vara Única...