Recursos em processos previdenciários são analisados pela Terceira Câmara Cível do Amazonas

Recursos em processos previdenciários são analisados pela Terceira Câmara Cível do Amazonas

A Terceira Câmara Cível analisou na sessão de (27/09) diversos processos de recursos de decisões proferidas em 1.º Grau envolvendo o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

Destes, alguns tiveram a apelação provida, total ou parcialmente, seja por cerceamento de defesa, por observar aspectos não apreciados e reconhecer o direito do apelante ao benefício requerido.

Entre os recursos, o de n.º 0709459-96.2020.8.04.0001 tratava de ação originária de concessão de auxílio-acidente, restabelecimento de auxílio-doença e aposentadoria por invalidez, sucessivamente.

Neste processo, o juiz proferiu sentença sem apreciar a impugnação ao laudo pericial e o pedido de questões complementares, levando à violação ao contraditório e ampla defesa, e o previsto no artigo 477, parágrafo 2.º, inciso I, do Código de Processo Civil.

De acordo com o relator, desembargador João Simões, “embora o juízo tenha liberdade quanto ao seu livre convencimento motivado, a oitiva do perito seria necessária para esclarecer as questões do laudo pericial levantadas na manifestação de fls. 645/660, sobretudo considerando que o juízo de primeiro grau fundamentou a decisão unicamente nas conclusões do laudo, motivo pelo qual impõe-se a anulação da sentença recorrida”.

Com a sentença anulada, este processo retornará ao 1.º Grau para seu regular prosseguimento.

Já em outro recurso, de n.º 0658438-18.2019.8.04.0001, a ação originária de restabelecimento de auxílio-doença com pedido de conversão de auxílio-acidente com conversão em aposentadoria por invalidez teve reconhecida a decadência em 1.º Grau.

Em 2.º Grau, em consonância com o parecer ministerial, o relator, desembargador Lafayette Vieira Júnior, votou pela inocorrência da decadência, pela demanda tratar de concessão inicial de benefício previdenciário, e não revisão de benefício já existente.

E citou entendimento do Supremo Tribunal Federal, em sede de repercussão geral no RE 626.489/SE, que “reconheceu que o direito à previdência social é um direito fundamental e, uma vez implementados seus requisitos, não deve ser afetado pelo decurso do tempo. Por conseguinte, decidiu ser legítima a aplicação do instituto da decadência preconizado no art. 103, da lei previdenciária, para a revisão de benefício já concedido, em observância à segurança jurídica, o que não ocorreu no caso em testilha”.

Após análise dos autos, com laudo indicando incapacidade para o trabalho de forma parcial e permanente, e outros aspectos, a sentença foi anulada. “Aplico a teoria da causa madura e julgo procedente o pedido para conceder o direito do Autor a receber o benefício do auxílio-doença até a efetiva reabilitação profissional e, ato contínuo, determino o restabelecimento do auxílio-acidente, desde a interrupção do benefício anteriormente concedido, haja vista a evidente redução da capacidade laborativa permanente para a função habitual”, afirma o relator Lafayette Vieira em seu voto.

(Lei n.° 8.213/91) – Sobre o auxílio-doença:

Art. 59. O auxílio-doença será devido ao segurado que, havendo cumprido, parcial atende quando for o caso, o período de carência exigido nesta Lei, ficar incapacitado para o seu trabalho ou para a sua atividade habitual por mais de 15 (quinze) dias consecutivos.

Art. 62 – O segurado em gozo de auxílio-doença, insuscetível de recuperação para sua atividade habitual, deverá submeter-se a processo de reabilitação profissional para o exercício de outra atividade.

Sobre o auxílio-acidente:

Art. 86 – O auxílio-acidente será concedido, como indenização, ao segurado quando, após consolidação das lesões decorrentes de acidente de qualquer natureza, resultarem sequelas que impliquem redução da capacidade para o trabalho que habitualmente exercia.

Fonte: Asscom TJAM

Leia mais

No Amazonas, militar que responde processo não tem direito ao afastamento para reserva remunerada

O Militar que responde inquérito ou processo em qualquer jurisdição não tem direito ao afastamento para a reserva remunerada, assim concluiu o Pleno do...

Violência Doméstica: Homem é condenado pelo TJAM por ameaçar atear fogo em casa

Luís Carlos Moreira Maciel foi condenado ante o juízo da Vara Única de Nova Olinda do Norte após ser julgada procedente ação penal promovida...

Mais Lidas

Justiça do Amazonas garante o direito de mulher permanecer com o nome de casada após divórcio

O desembargador Flávio Humberto Pascarelli, da 3ª Câmara Cível...

Professora de Manaus ganha direito a indenização por contrato temporário que excede prazo de 2 anos

Nos autos do processo nº 0665343-39.2019.8.04.0001 que tramitou na...

Gratificação de motorista de viatura Militar no Amazonas se aplica ao soldo, decide Tribunal

Nos autos do processo nº 0244691-47.2011, em julgamento de...

Últimas

TJSC diz que empresa não poderá negativar noivos que cancelaram festa em razão da Covid

Santa Catarina - Entre as inúmeras relações contratuais impactadas pela Covid-19, a indústria do casamento não foi exceção. Abalado...

Casal acusado de torturar filha de sete meses tem prisão preventiva decretada no Rio de Janeiro

Rio de Janeiro - Em audiência de custódia realizada no domingo (24/10), a juíza Ariadne Villela Lopes converteu em...

Acusado de espancar idoso em via pública no Distrito Federal é condenado a 37 anos de prisão

O Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios condenou Gabriel Ferreira de Souza Vidal a 37 anos e...

No Amazonas, militar que responde processo não tem direito ao afastamento para reserva remunerada

O Militar que responde inquérito ou processo em qualquer jurisdição não tem direito ao afastamento para a reserva remunerada,...