Justiça Estadual concede premiação aos cartórios da capital e do interior do Amazonas

Justiça Estadual concede premiação aos cartórios da capital e do interior do Amazonas

O Poder Judiciário Estadual, por meio da Corregedoria-Geral de Justiça do Amazonas (CGJ/AM), premiou, na quinta-feira (16), os cartórios amazonenses com os melhores índices de qualidade conforme os critérios avaliativos do “I Prêmio de Qualidade dos Cartórios Extrajudiciais”. O Prêmio, até então inédito no Judiciário Estadual, dará destaque anual às boas práticas de gestão desenvolvidas pelas serventias extrajudiciais no âmbito do Amazonas.

Realizada na sede do Tribunal de Justiça, no bairro Aleixo, zona Sul de Manaus, a solenidade de premiação foi conduzida pela corregedora-geral de Justiça do Amazonas, desembargadora Nélia Caminha Jorge, contando com a participação de diversas autoridades, dentre as quais o procurador-geral de Justiça do Amazonas, Alberto Rodrigues do Nascimento; a vice-presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional Amazonas, Grace Benayon e o desembargador da Corte Estadual, Délcio Luís Santos.

Na solenidade, foram premiados na categoria “Ouro” os cartórios das comarcas de Amaturá, Anori, Barcelos, Benjamin Constant, Beruri, Boa Vista do Ramos, Boca do Acre, Juruá, Manaquiri, Novo Aripuanã, 1.º e 2.º Ofícios de Iranduba, 1.º e 2.º Ofícios de Parintins e o 2.º Ofício de Itacoatiara.

Na categoria “Prata” foram premiados o 4.º Ofício do Registro de Imóveis e Protesto de Letras, o 7.º Ofício do Registro Civil, o 4.º e o 8.º Ofício de Notas – ambos de Manaus – , além dos cartórios das comarcas de Alvarães, Autazes, Anamã, Caapiranga, Guajará, Itapiranga, Jutaí, Maraã e Maués.

Já na categoria “Bronze”, foram contemplados com o prêmio as seguintes serventias: 2.º Ofício do Registro de Imóveis e Protesto de Letras; 6.º Ofício de Registro de Imóveis; 5.º e 6.º Ofício do Protesto de Letras; 1.º e 4.º Ofícios do Registro Civil; 6.º, 7.º e 9.º Ofícios de Notas – ambas de Manaus – além dos cartórios das Comarcas de Itamarati, de Santa Isabel do Rio Negro e de Uarini.

As premiações aos cartórios foram concedidas tendo como critérios: as notas de avaliação em inspeções (em correições ordinárias); a ausência de pendências nas inspeções; as respostas tempestivas aos requerimentos da Corregedoria-Geral de Justiça do Amazonas; a avaliação dos usuários; a capacidade de colaboração com outros cartórios e outros critérios. Ao outorgar as premiações aos cartórios, a corregedora-geral de Justiça, desembargadora Nélia Caminha Jorge, evidenciou a busca pela excelência, por parte dos cartórios destacados e citou que o objetivo primordial da Corregedoria, com a iniciativa, é incentivar boas prátias de gestão. “O serviço extrajudicial está intimamente ligado à vida dos cidadãos, desde o momento de seu nascimento, até o momento de sua morte, passando pela aquisição de propriedades, ocasião do casamento, no desenvolvimento de atividade empresarial, entre outras situações jurídicas que fazem parte do cotidiano de todos. Diante da relevância de tal desiderato, é fundamental que o serviço prestado possua um valor fundamental: a qualidade, que representa a busca contínua pela excelência, a fim de que o usuário possua a melhor experiência possível ao solicitar um serviço extrajudicial. Parabenizamos, assim sendo, as serventias extrajudiciais agraciadas com esta premiação, tendo estas conseguido demonstrar um patamar de excelência no desempenho de suas funções”, afirmou durante a solenidade, a corregedora-geral de Justiça do Amazonas.

Na mesma oportunidade, além dos cartórios, a Corregedoria também destacou o trabalho desenvolvido pelos magistrados da Justiça Estadual na condução das correições e fiscalizações ordinárias, trabalho este que resultou nas avaliações do Prêmio.

Fonte: Asscom TJAM

Leia mais

Mãe de filhos menores de 12 anos tem prisão domiciliar assegurada em Habeas Corpus em Manaus

O Tribunal de Justiça do Amazonas em voto conduzido pelo Desembargador José Hamilton Saraiva dos Santos, nos autos do processo de Habeas Corpus nº...

Trabalho informal não retira de idoso no Amazonas direito de receber benefício do INSS

Em ação que objetivou a concessão de benefício social regulado pelo LOAS - Lei Orgânica da Assistência Social, o idoso Waldir Rebelo de Moraes,...

Mais Lidas

Últimas

Mãe de filhos menores de 12 anos tem prisão domiciliar assegurada em Habeas Corpus em Manaus

O Tribunal de Justiça do Amazonas em voto conduzido pelo Desembargador José Hamilton Saraiva dos Santos, nos autos do...

Trabalho informal não retira de idoso no Amazonas direito de receber benefício do INSS

Em ação que objetivou a concessão de benefício social regulado pelo LOAS - Lei Orgânica da Assistência Social, o...

Vacinação de crianças é garantia constitucional, diz conselheiro do CNJ

A garantia constitucional dos direitos fundamentais de crianças e adolescentes, incluindo o direito à vacinação contra a Covid-19, será...

Órfãos de vítimas de feminicídio têm apoio da Defensoria Pública no Amazonas

Em 2017, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) concluiu que o Amazonas era o terceiro estado com maior proporção...