Judiciário do Amazonas garante efetivação da prerrogativa constitucional do direito à saúde

Judiciário do Amazonas garante efetivação da prerrogativa constitucional do direito à saúde

A necessidade de tratamento de saúde pode por vezes exigir que a demanda chegue ao Poder Judiciário, pois o direito fundamental não é recepcionado à contento pelo cidadão que precisa cuidar de algum problema relacionado a essa prerrogativa, que, inclusive, é de natureza constitucional.

Daí que ao Poder Judiciário do Estado do Amazonas têm sido encaminhados pedidos legalmente respaldados permitindo que o tema seja judicializado, entregando-se aos juízes a tarefa de determinar àquele que se omite de prestar o tratamento adequado, e para que o faça ante a ordem legal.

Nos autos do processo n° 0201722-07.2017.8.04.0001, o juiz Leoney Figliulo Harraquian, da 2ª. Vara da Fazenda Pública do Estado condenou o Município de Manaus a se responsabilizar solidariamente pela realização de cirurgia de revisão de prótese de artroplastia total do quadril da parte autora, tendo em vista que a cidadã já busca a realização do procedimento há 03 anos pelo SUS, mas sem sucesso, socorreu-se ao judiciário. O juiz determinou também a inclusão da requerente no programa de Tratamento Fora do domicílio – TFD, ou no caso da não possibilidade de realização do atendimento na rede pública, que seja feito o depósito das verbas necessárias para a realização em rede particular.

Destacou o juiz: “Friso que o Estado existe para servir o povo e não o oposto, de sorte que toda ação estatal deve buscar o bem estar da sociedade e não a satisfação dos interesses do aparato estatal isoladamente considerado, porquanto não é o Estado um fim em si mesmo”.

E, ainda: “No caso em tela, percebe-se que a autora depende da realização do procedimento cirúrgico em comento, para que sua qualidade de vida melhore. A negativa por parte dos requeridos, bem como a demora quanto a realização do procedimento, tendo em vista que a mesma está a mais de 3 anos aguardando a realização do procedimento, o que apenas demonstra que a omissão do dever dos requeridos com a saúde pública”.

O Município de Manaus recorreu da decisão.

No julgamento do recurso, a Primeira Câmara Cível asseverou que: “a responsabilidade da União, Estados e Municípios é solidária, competindo-lhes, independentemente de divisão de funções, garantir direito fundamental à vida e à saúde do cidadão. Consoante determina o artigo 196 da Constituição Federal, a saúde é direito de todos e dever do Estado, em todas as usas esferas, pelo que se impõe o dever estatal na concretização desse direito fundamental”.

Dispôs ainda: “Trata-se de obrigação solidária decorrente da própria Constituição Federal, razão pela qual a divisão de atribuições feita pela Lei n. 8080/1990, que constituiu o Sistema único de Saúde – SUS -, não afasta a responsabilidade do demandado de fornecer medicamentos e/ou tratamentos médicos a quem deles necessite.

Finalizou esclarecendo e determinando que: “a atuação do Judiciário, no sentido de compelir o Executivo a adotar medidas concretas assecuratórias de direitos constitucionalmente reconhecidos como essenciais, não configura violação ao Princípio da Separação de Poderes”.

Conheceu-se do recurso ao qual negou-se provimento — não se acolhendo os motivos de inconformismo do ente municipal — em decisão acolhida à unanimidade pelos juízes da Câmara.

Leia a sentença e o acórdão da decisão:

Loader Loading...
EAD Logo Taking too long?

Reload Reload document
| Open Open in new tab

Baixar arquivo [34.10 KB]

Loader Loading...
EAD Logo Taking too long?

Reload Reload document
| Open Open in new tab

Baixar arquivo [107.77 KB]

 

Leia mais

Embargos de Declaração em Acórdão não autoriza o reconhecimento de prescrição, diz TJAM

O Defensor Público Arlindo Gonçalves dos Santos Neto opôs embargos declaratórios contra Acórdão em julgamento de apelação criminal do Tribunal de Justiça do Amazonas,...

Habeas Corpus de ofício em 2ª. instância ocorre somente em caso de patente ilegalidade, julga TJAM

O Defensor Público Fernando Figueiredo Serejo Mestrinho recorreu de decisão monocrática do Desembargador José Hamilton Saraiva dos Santos que indeferiu, liminarmente, pedido de concessão...

Mais Lidas

Justiça do Amazonas garante o direito de mulher permanecer com o nome de casada após divórcio

O desembargador Flávio Humberto Pascarelli, da 3ª Câmara Cível...

Professora de Manaus ganha direito a indenização por contrato temporário que excede prazo de 2 anos

Nos autos do processo nº 0665343-39.2019.8.04.0001 que tramitou na...

Gratificação de motorista de viatura Militar no Amazonas se aplica ao soldo, decide Tribunal

Nos autos do processo nº 0244691-47.2011, em julgamento de...

Últimas

Embargos de Declaração em Acórdão não autoriza o reconhecimento de prescrição, diz TJAM

O Defensor Público Arlindo Gonçalves dos Santos Neto opôs embargos declaratórios contra Acórdão em julgamento de apelação criminal do...

Barroso suspende decisão que mandou Twitter apagar posts de jornalista

O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), suspendeu nesta terça-feira (26) decisão de um juiz de...

Pleno do TJAM realiza remoção de juízes para comarcas do interior

O Pleno do Tribunal de Justiça do Amazonas realizou na sessão desta terça-feira (26/10) a escolha de magistrados em...

Em Humaitá, servidor é condenado a quase 10 anos por estuprar subordinada em instituição pública

O Ministério Público do Amazonas obteve, no último dia 19/10, o afastamento do cargo de um servidor público condenado...