Serasa deve indenizar consumidor por manter nome negativado decide 2ª Câmara Cível do Amazonas

Serasa deve indenizar consumidor por manter nome negativado decide 2ª Câmara Cível do Amazonas

Serasa Experian teve Apelação conhecida porém improvida pelo Tribunal de Justiça do Amazonas que não acolheu os fundamentos da Apelante que pretendeu a modificação de sentença da 8ª. Vara Cível e de Acidentes de Trabalho de Manaus.

Na sentença de primeiro grau, o banco de dados Serasa Experian foi condenado ao cancelamento de registro e score de crédito cadastrados negativamente em nome de Allan Kleiton Lopes Campos, sendo determinado o pagamento de danos morais por haver inscrito o nome do consumidor em cadastro de inadimplentes.

O  CDC  prevê que o consumidor terá acesso às informações existentes em cadastros, fichas, registros e dados pessoais e consumos registradas sobre ele, bem como sobre as suas respectivas fontes. A abertura de cadastros, fichas, registros e dados pessoais de consumo deverá ser comunicada por escrito ao consumidor, quando não solicitada por ele.

O acórdão concluiu que o Apelante combateu os fundamentos da sentença recorrida demonstrando os motivos  pelos quais entende que aquela decisão deve ser reformada sem indicar violação a dialeticidade, não demonstrando os motivos de fato e de direito que autorizariam a rediscussão da matéria.

O relator concluiu que “no mérito, em se tratando de relação de consumo, a responsabilidade da empresa apelante é objetiva, sendo desnecessário, para a configuração do dever de indenizar danos morais, se perquirir culpa, bastando a existência da conduta, dano e nexo de causalidade. No caso dos autos preenchidos os requisitos para a caracterização do dano moral indenizável, uma vez que a conduta ilícita da apelante está presente na prestação defeituosa do serviço ao não notificar prévia e corretamente o consumidor, ora apelado, sobre a negativação de seu nome nos registros da empresa, bem como estão presentes o nexo de causalidade entre tal defeito na prestação do serviço e o dano causado.

O voto que integrou o julgamento foi do Relator Yedo Simões de Oliveira na Segunda Câmara Cível, presidida por Ari Jorge Moutinho, do Tribunal de Justiça do Estado do Amazonas, nos autos do processo 0623580-29.2017.

Leia o acórdão

Loader Loading...
EAD Logo Taking too long?

Reload Reload document
| Open Open in new tab

Baixar arquivo [107.01 KB]

Leia mais

Provado o latrocínio tentado com o testemunho da vítima do assalto, mantém-se condenação em Manaus

Bruno Tafaréu Gonçalves Figueiredo foi condenado ante a 6ª. Vara Criminal de Manaus por haver tentado a subtração de coisa alheia móvel mediante violência...

Confusão de fundamentos jurídicos impedem conhecimento de Reclamação Constitucional pelo TJAM

Em reclamação constitucional proposta por Maria Ocilene Sena Cruz contra a Segunda Turma Recursal do Juizado Especial Cível do Amazonas, a autora indicou descumprimento...

Mais Lidas

Justiça do Amazonas garante o direito de mulher permanecer com o nome de casada após divórcio

O desembargador Flávio Humberto Pascarelli, da 3ª Câmara Cível...

Professora de Manaus ganha direito a indenização por contrato temporário que excede prazo de 2 anos

Nos autos do processo nº 0665343-39.2019.8.04.0001 que tramitou na...

Gratificação de motorista de viatura Militar no Amazonas se aplica ao soldo, decide Tribunal

Nos autos do processo nº 0244691-47.2011, em julgamento de...

Últimas

TST reconhece natureza salarial do direito de imagem de jogador do Coritiba Foot Ball Club

A Subseção I Especializada em Dissídios Individuais (SDI-1) do Tribunal Superior do Trabalho reconheceu a natureza salarial da parcela...

TST decide que causas múltiplas de lesão na coluna não afastam direito de empregado à estabilidade

A Quarta Turma do Tribunal Superior do Trabalho reconheceu o direito de um auxiliar de produção despedido pela Cimento...

STJ confirma corte de candidata cotista por comissão formada após homologação do concurso

Por considerar válida a aferição das características dos candidatos em cota racial realizada quatro anos após a publicação do...

Provado o latrocínio tentado com o testemunho da vítima do assalto, mantém-se condenação em Manaus

Bruno Tafaréu Gonçalves Figueiredo foi condenado ante a 6ª. Vara Criminal de Manaus por haver tentado a subtração de...