No Amazonas, Banco Bradesco deve provar que cliente autorizou cobranças de tarifas

No Amazonas, Banco Bradesco deve provar que cliente autorizou cobranças de tarifas

O encargo processual de demonstrar que o consumidor autorizou a cobrança de tarifas bancárias é do banco e não do cliente. Caso o cidadão venha alegar que não autorizou determinada operação relacionada a cobrança de tarifas, cabe a parte contrária o ônus de provar que houve esse consentimento. A conclusão é do Desembargador Anselmo Chíxaro, relator do julgamento de recurso de apelação que foi ajuizado pelo Banco Bradesco S.A, nos autos do processo 0652454-53.2019.8.04.0001, em ação proposta por Sebastião Matos da Silva, em que foi pedido reparação de danos morais por cobrança indevida, face a não autorização de débitos de tarifas bancárias na modalidade ‘cesta fácil econômica’. Para o relator, aplica-se ao caso, a Resolução nº 3.919/2010 do Banco Central do Brasil. Seu voto foi seguido à unanimidade pelos magistrados de 2º grau e que integram a Primeira Câmara Cível.

Em direito processual civil, cuja temática seja direito do consumidor, especialmente em julgamento de apelação em ação de repetição de indébito combinado com pedido de reparação por danos morais, reconhece-se a cobrança indevida  não autorizada de tarifa bancária, disse em síntese o acórdão.

O encargo de provar a autorização para a cobrança de tarifa, na modalidade examinada e julgada pelo TJAM, é da instituição bancária, firmou o relator, decidindo que em relações de natureza consumerista, deve-se valer os direitos do consumidor.

“Nos termos da Resolução n] 3.910/2010 do Banco Central, a mencionada tarifa bancária deve estar prevista no contrato firmado ou ter sido previamente autorizada ou solicitada pelo cliente, hipóteses não verificadas na demanda posta em apreciação. No caso, não há qualquer documento apto que comprove a autorização dos descontos a título de ‘Cesta Fácil Econômica’, capaz de infirmar as alegações autorais e demonstrar, efetivamente, que houve a contratação dos serviços”. 

Leia o acórdão

Loader Loading...
EAD Logo Taking too long?

Reload Reload document
| Open Open in new tab

Baixar arquivo [259.38 KB]

 

 

Leia mais

Cocaína é substância altamente nociva motivo porque agrava condenação em Manaus

Paulo dos Santos Guedes foi condenado nas penas do artigo 33 da Lei 11.343/2006 pelo juízo da Vara Única de Beruri, Munícipio do Amazonas,...

Embargos de Declaração em Acórdão não autoriza o reconhecimento de prescrição, diz TJAM

O Defensor Público Arlindo Gonçalves dos Santos Neto opôs embargos declaratórios contra Acórdão em julgamento de apelação criminal do Tribunal de Justiça do Amazonas,...

Mais Lidas

Justiça do Amazonas garante o direito de mulher permanecer com o nome de casada após divórcio

O desembargador Flávio Humberto Pascarelli, da 3ª Câmara Cível...

Professora de Manaus ganha direito a indenização por contrato temporário que excede prazo de 2 anos

Nos autos do processo nº 0665343-39.2019.8.04.0001 que tramitou na...

Gratificação de motorista de viatura Militar no Amazonas se aplica ao soldo, decide Tribunal

Nos autos do processo nº 0244691-47.2011, em julgamento de...

Últimas

Cocaína é substância altamente nociva motivo porque agrava condenação em Manaus

Paulo dos Santos Guedes foi condenado nas penas do artigo 33 da Lei 11.343/2006 pelo juízo da Vara Única...

Embargos de Declaração em Acórdão não autoriza o reconhecimento de prescrição, diz TJAM

O Defensor Público Arlindo Gonçalves dos Santos Neto opôs embargos declaratórios contra Acórdão em julgamento de apelação criminal do...

Barroso suspende decisão que mandou Twitter apagar posts de jornalista

O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), suspendeu nesta terça-feira (26) decisão de um juiz de...

Pleno do TJAM realiza remoção de juízes para comarcas do interior

O Pleno do Tribunal de Justiça do Amazonas realizou na sessão desta terça-feira (26/10) a escolha de magistrados em...