Militares do Amazonas não têm direito ao Auxílio-Fardamento, decide Tribunal

Militares do Amazonas não têm direito ao Auxílio-Fardamento, decide Tribunal

O Tribunal de Justiça do Estado do Amazonas tem mantido decisões judiciais que julgaram improcedentes pedidos de militares para o pagamento de auxilio-fardamento em ações de cobrança que tramitaram nas Varas da Fazenda Pública da Capital e que foram encaminhadas, por distribuição, à Corte de Justiça local e suas Câmaras Cíveis. Trata-se de ações que tiveram por mérito a existência do direito ao denominado auxílio-fardamento, feito com amparo no artigo 79 da Lei n° 1.502/81, que tratava da remuneração da Polícia Militar.  Nos autos de processo 0653783-66.2020.8.04.0001, em remessa necessária encaminhada pelo juízo a 5ª. Vara da Fazenda Pública de Manaus, o recurso foi conhecido e provido, com remessa necessária julgada prejudicada, em face de não haver dúvida quanto ao não reconhecimento do direito na sentença encaminhada apenas por imperativo legal ao dever de remessa. Foi relator o desembargador Elci Simões de Oliveira. 

A denegação dos pedidos tem como base a regra que determina que a lei posterior revoga a anterior quando expressamente o declare, quando seja com ela incompatível ou quando regule inteiramente a matéria de que tratava a lei anterior. Houve uma terceira espécie de revogação, qual seja, a revogação por ter a lei posterior regulado inteiramente a matéria de que tratava a lei anterior.

O Relator, em seu voto decisivo esclarece que “não obstante a análise conjugada das Leis Estaduais que regulam a matéria, permite identificar a real vontade do legislador da não concessão do auxílio fardamento, uma vez que não mais se encontrava na lista de vantagens pecuniárias devida aos militares estaduais quando editou a Lei Estadual nº 2.329/96, ratificada pela Lei Estadual nº 3.725/12, operando a revogação tácita”.

Ao final, faleceu possibilidade jurídica aos pedidos sobre o pagamento de auxílio-fardamento aos militares estaduais, uma vez que a pretensão foi exercitada com base em lei bem anterior, a de nº 1.502/81, que dispusera sobre a remuneração da Polícia Militar do Estado do Amazonas, sobrevindo dois novos diplomas legais sobre a mesma matéria, que não mais trouxeram previsão sobre a pretensão guerreada e referente ao direito, não mais vigente, de que os militares faziam jus a um auxílio para aquisição de uniforme no valor de 03(três) vezes o soldo de sua graduação”.

 Leia o acórdão

Loader Loading...
EAD Logo Taking too long?

Reload Reload document
| Open Open in new tab

Baixar arquivo [213.47 KB]

 

Leia mais

No Amazonas, militar que responde processo não tem direito ao afastamento para reserva remunerada

O Militar que responde inquérito ou processo em qualquer jurisdição não tem direito ao afastamento para a reserva remunerada, assim concluiu o Pleno do...

Violência Doméstica: Homem é condenado pelo TJAM por ameaçar atear fogo em casa

Luís Carlos Moreira Maciel foi condenado ante o juízo da Vara Única de Nova Olinda do Norte após ser julgada procedente ação penal promovida...

Mais Lidas

Justiça do Amazonas garante o direito de mulher permanecer com o nome de casada após divórcio

O desembargador Flávio Humberto Pascarelli, da 3ª Câmara Cível...

Professora de Manaus ganha direito a indenização por contrato temporário que excede prazo de 2 anos

Nos autos do processo nº 0665343-39.2019.8.04.0001 que tramitou na...

Gratificação de motorista de viatura Militar no Amazonas se aplica ao soldo, decide Tribunal

Nos autos do processo nº 0244691-47.2011, em julgamento de...

Últimas

Casal acusado de torturar filha de sete meses tem prisão preventiva decretada no Rio de Janeiro

Rio de Janeiro - Em audiência de custódia realizada no domingo (24/10), a juíza Ariadne Villela Lopes converteu em...

Acusado de espancar idoso em via pública no Distrito Federal é condenado a 37 anos de prisão

O Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios condenou Gabriel Ferreira de Souza Vidal a 37 anos e...

No Amazonas, militar que responde processo não tem direito ao afastamento para reserva remunerada

O Militar que responde inquérito ou processo em qualquer jurisdição não tem direito ao afastamento para a reserva remunerada,...

Violência Doméstica: Homem é condenado pelo TJAM por ameaçar atear fogo em casa

Luís Carlos Moreira Maciel foi condenado ante o juízo da Vara Única de Nova Olinda do Norte após ser...