Fornecedor é isento de culpa quando consumidor não autoriza correção em falha de veículo em Manaus

Fornecedor é isento de culpa quando consumidor não autoriza correção em falha de veículo em Manaus

No julgamento de recurso de apelação que foi interposto por Mitsubishi Motors Manaus – Manaus Autocenter e J.C. Maranhão Comércio e Representações Ltda contra George Araújo da Silva, foi reconhecido que as falhas oriundas do desgaste do automóvel só não foram reparadas porque o consumidor não teria autorizado a realização dos serviços, não sobrevindo, dessa forma a responsabilidade objetiva da primeira apelante. Embora o veículo do autor houvesse apresentado defeitos, estes teriam sido corrigidos pelos apelantes, que compareceram ao processo em responsabilidade solidária. Prevaleceu a tese de que o fornecedor do serviço não será responsabilizado quando ficar demonstrada que houve culpa do consumidor, caracterizada pela não autorização de correção de falhas do automóvel. Foi relator o então Desembargador Ary Jorge Moutinho, em sessão presidida por Elci Simões de Oliveira nos autos do processo nº 0634253-86.2014.

Deliberou o acórdão que em ação de ação de fazer e de rescisão contratual de compra e venda de veículo se a perícia judicial relatou ausência de vício no produto e falha não constatada na prestação de serviço, impõe-se a reforma da sentença de primeiro grau, como sói ocorreu nos autos relatados. 

O julgamento abordou que entre os apelantes houve responsabilidade solidária e que nesse caso, é do autor a opção por qual a parte que será levada ao processo, pois o litisconsórcio é facultativo e não obrigatório.

“Depreende-se dos autos, inclusive da pericia judicial realizada, que o veículo do autor apresentou problemas – seja pelo tempo de uso e/ou pela não realização das revisões periódicas – os quais foram corrigidos pelas recorrentes. As demais falhas oriundas do desgaste do bem só não foram reparadas por ausência de autorização do próprio demandante”.

Leia o acórdão

Leia mais

Direito à informações é prerrogativa da Defensoria Pública do Amazonas

Ter acesso às informações que são requisitadas dos órgãos públicos é prerrogativa constitucional da Defensoria Pública do Amazonas, mormente porque a Instituição atua na...

Para TJAM, havendo grave comprometimento da ordem pública não há espaço para a liberdade

Célio Domingos da Silva teve pedido de habeas corpus negado pela Desembargadora Carla Maria Santos dos Reis nos autos do processo nº 4004745-35.2021.8.04.0000, mantendo-se...

Mais Lidas

Justiça do Amazonas garante o direito de mulher permanecer com o nome de casada após divórcio

O desembargador Flávio Humberto Pascarelli, da 3ª Câmara Cível...

Diagnóstico unilateral sobre medição de contadores pela Amazonas Energia é vexatório a consumidor

A concessionária de energia elétrica Amazonas Energia não pode...

Homem que ofereceu carona e estuprou adolescente a caminho da escola em Barreirinha-Am é condenado

Nos autos do processo nº0000395-28.2018.8.04.2700, Josinaldo Souza Teixeira recorreu...

Últimas

Pai, madrasta e avó são condenados pelo Conselho de Sentença no TJRO

Terminou em condenação para os três acusados de matar por espancamento e tortura a menina Lauanny Hester Rodrigues, na...

Juiz não está impedido de atuar em processo que tem parte instituição que exerce magistério

A 5ª Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) julgou prejudicado o incidente de impedimento de um...

TRF1: É constitucional a fixação de taxa para expedição de ART pelo conselho profissional

A 7ª Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) decidiu pela legitimidade da fixação de valor da...

STJ mantém prisão de PM acusado pela morte de criança de cinco anos durante patrulhamento no RJ

O ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Ribeiro Dantas, em decisão monocrática, manteve a prisão do policial militar...