Em Manaus, advogada consegue adiar audiência por prazo razoável após comprovar problemas de saúde

Em Manaus, advogada consegue adiar audiência por prazo razoável após comprovar problemas de saúde

O Juiz de Direito da 1ª. Vara do Tribunal do Júri George Hamilton Lins Barroso ao despachar pedido de adiamento de audiência nos autos do processo nº 0225077-51.2014.8.04.0001, em ação penal de competência do Tribunal do Júri movida pelo Ministério Público contra Cassiano Ribeiro da Silva Júnior decidiu acolher a solicitação de redesignação de instrução processual a pedido de causídica constituída nos autos após demonstrado impossibilidade de seu comparecimento face a questões de saúde relacionadas à gravidez de risco. No entanto, a decisão registrou que quanto ao período indicado para a nova data, após o dia 17/01/2022, não há razoabilidade de atendimento, por mais que o período de 120 dias corresponda ao tempo de licença médica, conforme atestado comprovado nos autos, daí determinando a realização de nova audiência no prazo de 20 dias. 

‘Vieram-me os autos conclusos e, analisando o pedido de redesignação, entendo que a advogada comprovou satisfatoriamente o motivo da impossibilidade de seu comparecimento à audiência de instrução que ocorreria na presente data’. O juiz avaliou questões de saúde, associadas à gravidez. 

No entanto, concluiu o magistrado que ‘em que pese isso, este Juízo compreende que não há como aguardar o decurso de 120 (cento e vinte) dias, determinando que a advogada do acusado seja notificada, a fim de substabelecer outro causídico para acompanhar o réu no ato processual’.

Para o magistrado, por mais que a saúde da gestante imponha o período de descanso de 120 (cento e vinte) dias de licença médica, consoante atestado que foram lançados nos autos, ‘nem de longe parece razoável postergar a realização da instrução processual para data após 17/01/2022’.

Leia a decisão

Leia mais

Habeas Corpus de ofício em 2ª. instância ocorre somente em caso de patente ilegalidade, julga TJAM

O Defensor Público Fernando Figueiredo Serejo Mestrinho recorreu de decisão monocrática do Desembargador José Hamilton Saraiva dos Santos que indeferiu, liminarmente, pedido de concessão...

Renúncia de advogado implica que parte cumpra dever de constituição de novo causídico, diz TJAM

Nos autos do processo 0004715-68.2021.8.04.0000, o Desembargador Paulo César Caminha e Lima negou provimento a agravo regimental no qual J. L. Chaar Simão-Amazon Print...

Mais Lidas

Justiça do Amazonas garante o direito de mulher permanecer com o nome de casada após divórcio

O desembargador Flávio Humberto Pascarelli, da 3ª Câmara Cível...

Professora de Manaus ganha direito a indenização por contrato temporário que excede prazo de 2 anos

Nos autos do processo nº 0665343-39.2019.8.04.0001 que tramitou na...

Gratificação de motorista de viatura Militar no Amazonas se aplica ao soldo, decide Tribunal

Nos autos do processo nº 0244691-47.2011, em julgamento de...

Últimas

TRF1 mantém condenação de réus por roubo de carga de cigarros

A 3ª Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) negou provimento à apelação para absolver dois réus...

Habeas Corpus de ofício em 2ª. instância ocorre somente em caso de patente ilegalidade, julga TJAM

O Defensor Público Fernando Figueiredo Serejo Mestrinho recorreu de decisão monocrática do Desembargador José Hamilton Saraiva dos Santos que...

STJ: Estado paga perícia em ação acidentária improcedente

Sob o rito dos recursos especiais repetitivos (Tema 1.044), a Primeira Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ) fixou...

Acusado de espancar idoso em via pública é condenado a 37 anos de prisão pelo TJDFT

O Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios condenou Gabriel Ferreira de Souza Vidal a 37 anos e...