Em Coari, servidora pública tem direito a danos morais pelo não recebimento de verbas alimentares

Em Coari, servidora pública tem direito a danos morais pelo não recebimento de verbas alimentares

O Desembargador Ari Jorge Moutinho, nos autos do processo 0000383-43.2017, ao julgar recurso de apelação formulado pelo Município de Coari contra Roziete Lopes Batista, servidora pública municipal, manteve a decisão do Juízo da Segunda Vara daquela Comarca Interiorana, alterando apenas os valores correspondentes à indenização por danos morais reconhecidos ante a reiterada inadimplência dos cofres públicos do Município, em razão de não cumprir o pagamento de verbas salariais da servidora e do quadro efetivo de funcionários do ente municipal. Para o relator, a servidora teve prejuízos de ordem moral por ter a sua subsistência diretamente afetada pelo não recebimento do 13° salário. O voto do Relator foi seguido à unanimidade pelo Colegiado da Segunda Câmara Cível, que conheceu do recurso da apelante com a concessão de provimento parcial, apenas com redução dos números indenizatórios.

Para o relator, a omissão administrativa configurada pela ausência de pagamento de parcelas salariais, autorizam ação de cobrança com o reconhecimento de danos morais, que devem ser fixados ante os princípios da proporcionalidade e da razoabilidade. 

No caso, a autora da cobrança é servidora pública municipal, tendo obtido ingresso na vida pública por meio de concurso público de provas e títulos, tendo sua vida funcional regulada pelo regime estatutário municipal.

Nessa condição, a decisão do Colegiado de Desembargadores lavou entendimento de que a autora fez jus ao pagamento de verbas remuneratórias de 13º salário cuja natureza alimentar, associado ao seu não pagamento pela administração pública do município, resultou em danos morais que mereceram ressarcimento.

Leia o acórdão

Loader Loading...
EAD Logo Taking too long?

Reload Reload document
| Open Open in new tab

Baixar arquivo [104.67 KB]

Leia mais

Habeas Corpus de ofício em 2ª. instância ocorre somente em caso de patente ilegalidade, julga TJAM

O Defensor Público Fernando Figueiredo Serejo Mestrinho recorreu de decisão monocrática do Desembargador José Hamilton Saraiva dos Santos que indeferiu, liminarmente, pedido de concessão...

Renúncia de advogado implica que parte cumpra dever de constituição de novo causídico, diz TJAM

Nos autos do processo 0004715-68.2021.8.04.0000, o Desembargador Paulo César Caminha e Lima negou provimento a agravo regimental no qual J. L. Chaar Simão-Amazon Print...

Mais Lidas

Justiça do Amazonas garante o direito de mulher permanecer com o nome de casada após divórcio

O desembargador Flávio Humberto Pascarelli, da 3ª Câmara Cível...

Professora de Manaus ganha direito a indenização por contrato temporário que excede prazo de 2 anos

Nos autos do processo nº 0665343-39.2019.8.04.0001 que tramitou na...

Gratificação de motorista de viatura Militar no Amazonas se aplica ao soldo, decide Tribunal

Nos autos do processo nº 0244691-47.2011, em julgamento de...

Últimas

TRF1 mantém condenação de réus por roubo de carga de cigarros

A 3ª Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) negou provimento à apelação para absolver dois réus...

Habeas Corpus de ofício em 2ª. instância ocorre somente em caso de patente ilegalidade, julga TJAM

O Defensor Público Fernando Figueiredo Serejo Mestrinho recorreu de decisão monocrática do Desembargador José Hamilton Saraiva dos Santos que...

STJ: Estado paga perícia em ação acidentária improcedente

Sob o rito dos recursos especiais repetitivos (Tema 1.044), a Primeira Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ) fixou...

Acusado de espancar idoso em via pública é condenado a 37 anos de prisão pelo TJDFT

O Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios condenou Gabriel Ferreira de Souza Vidal a 37 anos e...