Crimes de dispensa de licitação e dano ao erário cometidos por Bi Garcia voltam para o 1º grau

Crimes de dispensa de licitação e dano ao erário cometidos por Bi Garcia voltam para o 1º grau

O Pleno do Tribunal de Justiça do Amazonas decidiu nos autos de processo 0004878-48.2021.8.04.0000, em embargos de declaração criminal interposto pelo Ministério Público do Estado, à unanimidade de votos, que não houve fundamento no prequestionamento inaugurado na circunstância de que houve omissão em acórdão que concluiu pela incompetência do julgamento do Prefeito de Parintins Frank Luiz da Cunha Garcia nos autos do processo 4004290-12.2017.8.04.0000 ante o segundo grau de jurisdição, no caso o TJAM, onde foi alvo de ação penal pelos crimes de dispensa ilegal de licitação com danos ao erário. 

Segundo os embargos opostos pelo parquet a decisão teria ocorrido na contramão da regra inserta no artigo 29, Inciso X, da Constituição Federal que determina que os prefeitos serão julgados perante os Tribunais de Justiça, hipótese rejeitada pelos Desembargadores. 

Ademais, ainda dentro do conteúdo do Embargante, houvera a também omissão de que a instrução criminal  fora encerrada perante o Tribunal Pleno, o que impediria a declinação de competência para o primeiro grau de jurisdição, tal como ocorrido, com os autos encaminhados por distribuição à Comarca de Parintins. 

Segundo a decisão não houve omissão na apreciação de ponto relevante acerca da controvérsia levantada, pois a omissão sinalizada nos aclaratórios não teria sido levantada anteriormente, não havendo razão para o prequestionamento. Em definitivo, também fora afastado o segundo argumento, pois, embora encerrada a instrução em segundo grau, o foro por prerrogativa de função exige contemporaneidade e pertinência temática entre os fatos em apuração e o exercício da função pública, o que não é relativo ao caso que fora submetido a análise e julgamento do TJAM.

Leia a decisão

 

Leia mais

Liminar suspende execução de Medição Centralizada da Amazonas Energia

A circunstância de que seja concessionária de serviço público, especialmente na prestação de produto essencial de energia elétrica  da Amazonas Energia, e, na conclusão...

A concessão de Habeas Corpus de ofício pelo TJ/Amazonas exige flagrante ilegalidade na prisão

A concessão de Habeas Corpus de ofício pelo Tribunal exige que seja constatada a flagrante ilegalidade na constrição cautelar daquele que foi privado de...

Mais Lidas

Justiça do Amazonas garante o direito de mulher permanecer com o nome de casada após divórcio

O desembargador Flávio Humberto Pascarelli, da 3ª Câmara Cível...

TJAM: União Estável proporciona direito a pensão por morte do companheiro sobrevivente

Em matéria de direito previdenciário nos autos do processo...

Diagnóstico unilateral sobre medição de contadores pela Amazonas Energia é vexatório a consumidor

A concessionária de energia elétrica Amazonas Energia não pode...

Últimas

TRF1 diz que cabe ao Poder Público o fornecimento de insumos para terapia com óleo de Cannabis

Óleo derivado da Cannabis deve ser fornecido pelo Poder Público em terapia de uma paciente acometida de doença neurodegenerativa...

Bolsonaro deve se defender em 2 dias da acusação de ter feito campanha antecipada

Na última segunda-feira (17/1), o ministro Alexandre de Moraes, na condição de membro do Tribunal Superior Eleitoral, determinou a citação do...

Em Goiás, mulher que encontrou corpo estranho em molho de tomate será indenizada

Goiás  - O juiz Carlos Gustavo Fernandes de Morais, do Juizado Especial Cível da comarca de Luziânia-GO, condenou a...

Vítima de acidente de trânsito no DF deverá ser indenizada por danos materiais e morais

Distrito FederalJuiz do 1º Juizado Especial Cível de Taguatinga condenou a proprietária e o condutor de um veículo e...