Consumidora perde ação contra banco por TJAM entender que mulher sabia da contratação dos serviços

Consumidora perde ação contra banco por TJAM entender que mulher sabia da contratação dos serviços

A desembargadora Joana dos Santos Meirelles procedeu a exame e julgamento nos autos do processo 0649827-42.2020, no qual o apelante o Banco Bmg S/A recorreu de sentença de juiz de piso que havia condenado a instituição bancária ao pagamento de danos morais e a suspensão dos descontos mensais da conta em favor da apelada Maria das Graças Cordeiro dos Santos, obtendo em recurso de apelação, a reforma da sentença, por concluir ausente falha na prestação de serviço do banco com relação a empréstimo efetuado pela autora e posterior recebimento de cartão de crédito não solicitado e usado, com saques realizados pela consumidora.

Contrato de adesão é aquele redigido somente pelo fornecedor, sem que o consumidor tenha oportunidade de discutir ou modificar substancialmente o seu conteúdo. Há determinação legal, no entanto, que as cláusulas sobre direitos do consumidor devem ser redigidas com destaque, aí a importância de se realizar análise sobre o conteúdo do contrato, antes de firmá-lo, assinando-o. Apenas se houver desequilíbrio entre as partes interessadas, com excessiva onerosidade para o lado frágil da negociação, permite-se a revisão.

“A ação de anulação de contrato combinada com pedido de indenização por danos materiais em contrato de adesão referente a empréstimo consignado de cartão de crédito não solicitado e utilização do cartão, com saques pelo consumidor, a reserva de margem consignável é devida. Ausência de defeito na prestação do serviço e ausência de ilicitude, com dano moral não configurado”, resumiu a ementa do Acórdão, com voto da relatora, seguido à unanimidade pelo Colegiado de Desembargadores. 

“A relação jurídica estabelecida entre as partes é de consumo, aplicando-se as regras do CDC, conforme se pode verificar na Súmula 297 do STJ. O Código de Defesa do Consumidor é aplicável às instituições financeiras”.

“Os contratos de adesão, em geral, possuem condições pré-definidas cabendo ao consumidor tão somente aderir ou não ao serviço oferecido, de forma que eventuais condições abusivas ilegais podem perfeitamente ser revistas pelo Judiciário. Houve movimentação no cartão de crédito. Restou claro que a parte Apelada tinha absoluta ciência do que havia contratado, além de que o contrato possuía, em letras maiúsculas, a indicação do que se tratava o produto, não havendo que se falar em qualquer vício do consentimento. Não há que se falar em contratação mediante fraude ou venda casada, o que torna incabível os pedidos iniciais, devendo ser reformada a sentença.”.

Leia o acórdão

Loader Loading...
EAD Logo Taking too long?

Reload Reload document
| Open Open in new tab

Baixar arquivo [400.68 KB]

 

Leia mais

No Amazonas, beijos na boca de criança sugerem estupro de vulnerável e não importunação sexual

Pedro Silva de Braga foi denunciado pelo Ministério Público de São Gabriel da Cachoeira pela prática do crime de estupro de vulnerável porque praticou...

Surdez unilateral não concede vaga em concurso a pessoa com deficiência no Amazonas

O portador de surdez unilateral não se qualifica como pessoa com deficiência para o fim de disputar as vagas reservadas em concursos públicos assim...

Mais Lidas

Justiça do Amazonas garante o direito de mulher permanecer com o nome de casada após divórcio

O desembargador Flávio Humberto Pascarelli, da 3ª Câmara Cível...

Professora de Manaus ganha direito a indenização por contrato temporário que excede prazo de 2 anos

Nos autos do processo nº 0665343-39.2019.8.04.0001 que tramitou na...

Gratificação de motorista de viatura Militar no Amazonas se aplica ao soldo, decide Tribunal

Nos autos do processo nº 0244691-47.2011, em julgamento de...

Últimas

Em Santa Catarina, homem é condenado por desacato ao ofender enfermeira através das redes sociais

O Tribunal de Justiça de Santa Catarina condenou um homem a seis meses de detenção, em regime semiaberto, por...

Dano moral a mulher que, barrada na alfândega por Covid, teve mala extraviada em Roma

Uma mulher que teve sua bagagem extraviada após não conseguir entrar na Itália, em face das restrições impostas pela...

Conselheiro do TCE-AM vai ministrar palestra em curso promovido pelo TJAM

O conselheiro-ouvidor do Tribunal de Contas do Amazonas (TCE-AM), Érico Desterro, participará do ciclo de palestras promovido pela Escola...

No Amazonas, beijos na boca de criança sugerem estupro de vulnerável e não importunação sexual

Pedro Silva de Braga foi denunciado pelo Ministério Público de São Gabriel da Cachoeira pela prática do crime de...