Banco é condenado por negativação de cliente e deve assumir o dano causado, delibera TJAM

Banco é condenado por negativação de cliente e deve assumir o dano causado, delibera TJAM

A negativação consiste no fato de que vencida uma dívida, quando o pagamento não é realizado no prazo estabelecido, o credor adota a negativação. Ocorre que essa negativação pode ser indevida por vários fatores, dentre eles, o caso em que o negativado não tenha contratado o serviço, ou, se houver contratado e o pagamento tiver sido realizado no prazo e de forma correta, o erro pode ser administrativo, ou, também, nos casos de a pessoa ter cancelado um serviço, mas as contas continuam chegando com as respectivas faturas. 

A negativação decorre do Código de Defesa do Consumidor que autoriza que os consumidores inadimplentes sejam inscritos em sistemas como o Serasa e o SPC, como forma de proteger os comerciantes e as empresas. 

Quando a negativação é indevida pode ocorrer vários prejuízos advindos dessa situação, seja para um aluguel, para um financiamento de imóvel, para se obter um cartão de crédito, para se financiar um veículo, etc. 

Por vezes, o interessado procura o cancelamento da negativação com a empresa que o encaminhou a negativação, em outras, a própria empresa toma a iniciativa.

O Tribunal de Justiça do Amazonas, sob a relatoria do desembargador Flávio Humberto Pascarelli, em julgamento de apelação do processo n° 0631754-56.2019.8.04.0001, em ação de indenização por danos morais face a indevida negativação do nome do autor contra o Itaú Unibanco S/A, a própria instituição bancária procedeu o cancelamento, mas mesmo assim o Tribunal de Justiça reconheceu haver danos morais a serem reparados.

Dispôs o relator, que: “se nos moldes do contrato celebrado entre o autor e a construtora com a interveniência do banco requerido, a gestão financeira das parcelas mensais do financiamento cabia exclusivamente ao agente financeiro, não há falar em ilegitimidade passiva deste. O fato de o ato ilícito ter sido cancelado antes do ajuizamento da demanda não esvazia o interesse processual do requerente, uma vez que a lesão existiu e produziu efeitos. Demonstrado que mesmo diante da reconhecida quitação do contrato, o banco requerido procedeu à negativação do nome do comprador, é impositivo o reconhecimento do dever compensatório. Não merece reparo o montante arbitrado a título de compensação por dano moral quando o valor se mostra compatível com o patrimônio da vítima e do ofensor e com potencial para inibir a repetição de condutas semelhantes”.

Leia o acórdão:

Loader Loading...
EAD Logo Taking too long?

Reload Reload document
| Open Open in new tab

Baixar arquivo [215.46 KB]

 

Leia mais

TJAM diz que ordem judicial para retirada de matéria de site é censura prévia

Ao examinar e julgar autos de recurso de agravo de instrumento interposto por Revista Cenarium contra decisão interlocutória da 12ª. Vara Cível de Manaus,...

Paternidade não pode ser rescindida por falta de intimação pessoal para audiência em Manaus

Na ação Rescisória proposta por R.C.R contra Mirela Brito Reis e Milena de Souza Brito, nos autos de processo 4007638-33.2020, julgou-se improcedentes os pedidos...

Mais Lidas

Justiça do Amazonas garante o direito de mulher permanecer com o nome de casada após divórcio

O desembargador Flávio Humberto Pascarelli, da 3ª Câmara Cível...

Professora de Manaus ganha direito a indenização por contrato temporário que excede prazo de 2 anos

Nos autos do processo nº 0665343-39.2019.8.04.0001 que tramitou na...

Gratificação de motorista de viatura Militar no Amazonas se aplica ao soldo, decide Tribunal

Nos autos do processo nº 0244691-47.2011, em julgamento de...

Últimas

MPAM discute com SSP e Seai o combate ao crime organizado no Amazonas

Na tarde do dia 14/10, o Ministério Público do Amazonas (MPAM) participou de reunião de trabalho com o Secretário...

TJAM diz que ordem judicial para retirada de matéria de site é censura prévia

Ao examinar e julgar autos de recurso de agravo de instrumento interposto por Revista Cenarium contra decisão interlocutória da...

Paternidade não pode ser rescindida por falta de intimação pessoal para audiência em Manaus

Na ação Rescisória proposta por R.C.R contra Mirela Brito Reis e Milena de Souza Brito, nos autos de processo...

Promessa de compra e venda de imóvel em Manaus não cumprida no prazo, gera rescisão com juros

O Tribunal de Justiça do Amazonas tem mantido decisões que acolhem pedidos de consumidores por rescisão unilateral de contrato...