Anuência ao cartão de crédito comprovada por movimentação, não configura má fé de banco, diz TJAM

Anuência ao cartão de crédito comprovada por movimentação, não configura má fé de banco, diz TJAM

Ante as circunstâncias delineadas nos autos de processo 0727486-30.2020, em que se debateu sobre a validez de contrato de cartão de crédito consignado entre Damásio Pinheiro Portela e o Banco Bmg S.A., concluiu-se em julgamento de recurso de apelação que tramitou na Primeira Câmara Cível que não ocorreu falha na prestação de serviço efetuada pela instituição financeira, uma vez que, embora o consumidor pretendesse a anulação do contrato, por ausência ampla de informação, constatou-se que houve anuência voluntária do autor/apelante ao serviço ofertado ante o comprovado uso do cartão de crédito consignado que se efetuou mediante saques e diversas compras que foram efetuadas pelo próprio beneficiário. Foi Relator Anselmo Chíxaro. 

Dispôs o julgamento em síntese, que na ação de procedimento comum, apreciada mediante apelação ofertada pelo autor que alegou ausência de informação na celebração do contrato de cartão de crédito consignado que houve sua anuência, face as circunstâncias que se demonstraram nos autos com o uso do respectivo cartão. 

Para o Acórdão, o exame dos autos revelou que por meio de extratos que foram juntados pelo Banco apelado, foi possível evidenciar o uso do cartão pelo requerente, notadamente para a realização de diversos saques e compras, como se pode avaliar por meio das faturas bancárias.

Segundo o acórdão, “a documentação assinada pelo demandante, de modo cognoscível, indicou o serviço que estava sendo contratado, bem como os encargos dele decorrentes, razão pela qual, tem-se que os princípios da informação, clareza e transparência foram devidamente observados na situação em exame”.

Leia o acórdão

Leia mais

No Amazonas, beijos na boca de criança sugerem estupro de vulnerável e não importunação sexual

Pedro Silva de Braga foi denunciado pelo Ministério Público de São Gabriel da Cachoeira pela prática do crime de estupro de vulnerável porque praticou...

Surdez unilateral não concede vaga em concurso a pessoa com deficiência no Amazonas

O portador de surdez unilateral não se qualifica como pessoa com deficiência para o fim de disputar as vagas reservadas em concursos públicos assim...

Mais Lidas

Justiça do Amazonas garante o direito de mulher permanecer com o nome de casada após divórcio

O desembargador Flávio Humberto Pascarelli, da 3ª Câmara Cível...

Professora de Manaus ganha direito a indenização por contrato temporário que excede prazo de 2 anos

Nos autos do processo nº 0665343-39.2019.8.04.0001 que tramitou na...

Gratificação de motorista de viatura Militar no Amazonas se aplica ao soldo, decide Tribunal

Nos autos do processo nº 0244691-47.2011, em julgamento de...

Últimas

Em Santa Catarina, homem é condenado por desacato ao ofender enfermeira através das redes sociais

O Tribunal de Justiça de Santa Catarina condenou um homem a seis meses de detenção, em regime semiaberto, por...

Dano moral a mulher que, barrada na alfândega por Covid, teve mala extraviada em Roma

Uma mulher que teve sua bagagem extraviada após não conseguir entrar na Itália, em face das restrições impostas pela...

Conselheiro do TCE-AM vai ministrar palestra em curso promovido pelo TJAM

O conselheiro-ouvidor do Tribunal de Contas do Amazonas (TCE-AM), Érico Desterro, participará do ciclo de palestras promovido pela Escola...

No Amazonas, beijos na boca de criança sugerem estupro de vulnerável e não importunação sexual

Pedro Silva de Braga foi denunciado pelo Ministério Público de São Gabriel da Cachoeira pela prática do crime de...