TJSP mantém júri que condenou réu por morte de policial

TJSP mantém júri que condenou réu por morte de policial

A 8ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo manteve decisão de júri que condenou réu por homicídio triplamente qualificado e ocultação de cadáver de investigador de polícia. Na segunda instância a pena foi aumentada de 15 para 25 anos, dez meses e dez dias de reclusão, em regime inicial fechado. Em instância recursal, também foi decidido que um dos comparsas do criminoso será submetido a novo julgamento.

De acordo com os autos, a vítima teria ido a um bar na Ilha Caraguatá, em Cubatão, com a namorada. No local, um grupo recebeu a informação de que o homem seria policial civil. Aproximaram-se do rapaz, pegaram as chaves de seu carro e seus documentos e o colocaram no veículo, junto com a mulher. Os dois foram levados para Vila Siri e Vila Esperança. A namorada foi, então, liberada e o homem interrogado e torturado até a morte, sob intenso sofrimento físico e psicológico. O carro foi abandonado no Guarujá e corpo enterrado em cemitério clandestino, local em que a Polícia encontrou outros cadáveres, que teriam sido submetidos a julgamentos pelo “tribunal do crime”.

Sobre a decisão do júri, a relatora, desembargadora Ely Amioka, afirmou que as qualificadoras (tortura, dificuldade de defesa e contra policial) encontram respaldo nas provas dos autos, “e os Jurados simplesmente optaram pela tese que entenderam ser a cabível, nos termos determinados pela Carta da República”. Quanto à ocultação de cadáver, a magistrada ressaltou que o corpo foi encontrado mais de 30 dias após os fatos, “em local distante, de difícil acesso (apenas mediante embarcação) e inabitado, em meio a um mangue, de forma que o corpo não seria descoberto caso não tivesse sido apontado pelos agentes [criminosos]”. Pela “culpabilidade exacerbada” do réu, a desembargadora determinou o aumento da pena.
O julgamento, decidido por maioria de votos, teve a participação dos desembargadores Marco Antônio Cogan e Mauricio Valala.

Apelação nº 0001913-75.2016.8.26.0157

Fonte: Asscom TJSP

Leia mais

Liminar suspende execução de Medição Centralizada da Amazonas Energia

A circunstância de que seja concessionária de serviço público, especialmente na prestação de produto essencial de energia elétrica  da Amazonas Energia, e, na conclusão...

A concessão de Habeas Corpus de ofício pelo TJ/Amazonas exige flagrante ilegalidade na prisão

A concessão de Habeas Corpus de ofício pelo Tribunal exige que seja constatada a flagrante ilegalidade na constrição cautelar daquele que foi privado de...

Mais Lidas

Justiça do Amazonas garante o direito de mulher permanecer com o nome de casada após divórcio

O desembargador Flávio Humberto Pascarelli, da 3ª Câmara Cível...

TJAM: União Estável proporciona direito a pensão por morte do companheiro sobrevivente

Em matéria de direito previdenciário nos autos do processo...

Diagnóstico unilateral sobre medição de contadores pela Amazonas Energia é vexatório a consumidor

A concessionária de energia elétrica Amazonas Energia não pode...

Últimas

TRF1 diz que cabe ao Poder Público o fornecimento de insumos para terapia com óleo de Cannabis

Óleo derivado da Cannabis deve ser fornecido pelo Poder Público em terapia de uma paciente acometida de doença neurodegenerativa...

Bolsonaro deve se defender em 2 dias da acusação de ter feito campanha antecipada

Na última segunda-feira (17/1), o ministro Alexandre de Moraes, na condição de membro do Tribunal Superior Eleitoral, determinou a citação do...

Em Goiás, mulher que encontrou corpo estranho em molho de tomate será indenizada

Goiás  - O juiz Carlos Gustavo Fernandes de Morais, do Juizado Especial Cível da comarca de Luziânia-GO, condenou a...

Vítima de acidente de trânsito no DF deverá ser indenizada por danos materiais e morais

Distrito FederalJuiz do 1º Juizado Especial Cível de Taguatinga condenou a proprietária e o condutor de um veículo e...