TJAM nega recurso contra decisão para remarcar teste de aptidão física para candidata da PM

TJAM nega recurso contra decisão para remarcar teste de aptidão física para candidata da PM

As Câmaras Reunidas do Tribunal de Justiça do Amazonas negaram provimento à apelação do Estado do Amazonas e mantiveram sentença proferida pela 2.ª Vara da Fazenda Pública Estadual da Comarca de Manaus quanto à remarcação de teste físico de candidata inscrita em concurso público para ingresso no Curso de Formação de Oficiais da Polícia Militar do Amazonas.

A decisão foi por maioria, conforme o voto condutor do desembargador José Hamilton Saraiva dos Santos, no processo n.º 0635855-15.2014.8.04.0001, na sessão da última quarta-feira (13/10), baseado na teoria do fato consumado.

De acordo com o processo, a candidata obteve liminar em 1.º Grau em dezembro de 2014 para remarcação do teste de corrida após ter sofrido entorse no tornozelo direito em decorrência de atividades exercidas na própria corporação, com atestado médico por ela homologado. Posteriormente, em janeiro de 2016, sentença confirmou a liminar garantindo à impetrante a segurança requerida.

Em outubro de 2017 foi publicada portaria considerando a candidata apta na inspeção de saúde e convocando-a para o teste de aptidão física, realizado em dezembro de 2017, em que também foi considerada apta, conforme portaria de março de 2018.

Segundo o relator, a situação da autora, inicialmente precária, após obtenção de liminar para prosseguir no processo seletivo, se aprovada no teste físico de corrida, ficou sólida após tantos anos na corporação, com o respaldo do Poder Judiciário, com decisão já transitada em julgado, de forma que não é razoável excluí-la do cargo que vem exercendo de forma exemplar, há mais de sete anos.

Também afirmou o desembargador que o edital era omisso quanto à possibilidade de novo teste físico por motivo de saúde, sendo então legítima a atuação do Judiciário para suprir a lacuna legal identificada.

Ele considerou que afastar a apelada da carreira policial seria mais prejudicial do que manter a situação concretizada pelo decurso do tempo, observando que os princípios da segurança jurídica e da razoabilidade devem prevalecer sobre o da estrita legalidade neste caso, aplicando então a teoria do fato consumado, de forma excepcional.

O magistrado analisou decisões de cortes em casos semelhantes em que se aplica a referida teoria e observou as peculiaridades do caso. “Vale ressaltar que a Apelada já se encontrava incluída no serviço ativo da Polícia Militar do Estado do Amazonas, como MILITAR ESTADUAL, desde o dia 17 de março de 2014, na qualidade de Aluna Oficial da Polícia Militar do Estado do Amazonas, por força do Decreto 08 de abril de 2014, publicado no Diário Oficial do Estado na mesma data (fl. 60), em cumprimento à decisão judicial proferida Ação Ordinária n.º 0628730-30.2013.8.04.0001, a qual já se encontra acobertada pelo manto da coisa julgada. Atualmente, após promoções na carreira militar, a Apelada ocupa o posto de 1.º Tenente QOPM”, afirmou o relator.

Ele observou que a teoria do fato consumado consiste em convalidar uma situação de fato ilegal, que perdurou ao longo do tempo, prezando a dignidade, a boa-fé e a segurança jurídica. “Nesse contexto, aplica-se a teoria do fato consumado diante da existência de uma situação de fato que se encontra consolidada e com estabilidade tal que torna desaconselhável e inviável a sua alteração”.

Fonte: Asscom TJAM

Leia mais

No Amazonas, beijos na boca de criança sugerem estupro de vulnerável e não importunação sexual

Pedro Silva de Braga foi denunciado pelo Ministério Público de São Gabriel da Cachoeira pela prática do crime de estupro de vulnerável porque praticou...

Surdez unilateral não concede vaga em concurso a pessoa com deficiência no Amazonas

O portador de surdez unilateral não se qualifica como pessoa com deficiência para o fim de disputar as vagas reservadas em concursos públicos assim...

Mais Lidas

Justiça do Amazonas garante o direito de mulher permanecer com o nome de casada após divórcio

O desembargador Flávio Humberto Pascarelli, da 3ª Câmara Cível...

Professora de Manaus ganha direito a indenização por contrato temporário que excede prazo de 2 anos

Nos autos do processo nº 0665343-39.2019.8.04.0001 que tramitou na...

Gratificação de motorista de viatura Militar no Amazonas se aplica ao soldo, decide Tribunal

Nos autos do processo nº 0244691-47.2011, em julgamento de...

Últimas

Em Santa Catarina, homem é condenado por desacato ao ofender enfermeira através das redes sociais

O Tribunal de Justiça de Santa Catarina condenou um homem a seis meses de detenção, em regime semiaberto, por...

Dano moral a mulher que, barrada na alfândega por Covid, teve mala extraviada em Roma

Uma mulher que teve sua bagagem extraviada após não conseguir entrar na Itália, em face das restrições impostas pela...

Conselheiro do TCE-AM vai ministrar palestra em curso promovido pelo TJAM

O conselheiro-ouvidor do Tribunal de Contas do Amazonas (TCE-AM), Érico Desterro, participará do ciclo de palestras promovido pela Escola...

No Amazonas, beijos na boca de criança sugerem estupro de vulnerável e não importunação sexual

Pedro Silva de Braga foi denunciado pelo Ministério Público de São Gabriel da Cachoeira pela prática do crime de...