Mulher é condenada por homicídio qualificado da própria mãe em Nova Olinda do Norte

Mulher é condenada por homicídio qualificado da própria mãe em Nova Olinda do Norte

Após 16 horas de Júri Popular, no município de Nova Olinda do Norte, o Ministério Público do Amazonas (MPAM), representado por seu Promotor de Justiça Cláudio Facundo, obteve a condenação de criminosos pelo assassinato da Sra. Elza Correa Costa, à época com 66 anos, na quinta-feira, 16. A mandante do crime, Maria Madalena Correia da Cunha, filha da vítima, foi condenada a 23 anos e 7 meses por homicídio com as qualificadoras de motivo fútil, meio cruel e recurso que impossibilitou a defesa da vítima. Madalena também foi condenada a dois anos e meio de prisão pela ocultação do cadáver da mãe

O crime foi cometido em 2017 a mando de Maria Madalena, também conhecida com “Teca”, motivado pelo desejo de herdar a casa da mãe e por ter um relacionamento ruim com a vítima. A idosa foi morta com golpes violentos de uma barra de ferro e seu corpo foi esquartejado, para facilitar seu ocultamento. O caso obteve repercussão estadual e chocou toda a população da região.

Segundo o Promotor de Justiça, a filha planejou o assassinato de sua mãe, juntamente com o namorado, a partir da contratação de dois rapazes mediante pagamento de R$ 10 dez mil para a execução do assassinato.

“A ré esperou os contratados em sua casa, entregando armas para a execução do crime – sendo uma delas a ‘barra de ferro’. O assassinato foi seguido de esquartejamento. Para ocultarem o cadáver, o corpo foi colocado dentro de uma mala e lançado no rio”, declarou o Promotor de Justiça.

Maria Madalena Correia da Cunha está presa. O namorado, Hamilton Souza da Costa, vulgo “Milton”, embora condenado, aguardará o trânsito em julgado para ser preso. Alex Pereira da Costa, o contratado para execução do crime, tem sua prisão preventiva decretada e está foragido.

Fonte: Asscom MPAM

Leia mais

Trabalho informal não retira de idoso no Amazonas direito de receber benefício do INSS

Em ação que objetivou a concessão de benefício social regulado pelo LOAS - Lei Orgânica da Assistência Social, o idoso Waldir Rebelo de Moraes,...

Intranquilidade e instabilidade social causadas pelo crime impõe prisão preventiva, fixa TJAM

O fato do agente do crime ostentar maus antecedentes, reincidência, atos infracionais pretéritos, inquéritos ou mesmo ações penais em curso demonstram não apenas o...

Mais Lidas

Justiça do Amazonas garante o direito de mulher permanecer com o nome de casada após divórcio

O desembargador Flávio Humberto Pascarelli, da 3ª Câmara Cível...

TJAM: União Estável proporciona direito a pensão por morte do companheiro sobrevivente

Em matéria de direito previdenciário nos autos do processo...

Diagnóstico unilateral sobre medição de contadores pela Amazonas Energia é vexatório a consumidor

A concessionária de energia elétrica Amazonas Energia não pode...

Últimas

Trabalho informal não retira de idoso no Amazonas direito de receber benefício do INSS

Em ação que objetivou a concessão de benefício social regulado pelo LOAS - Lei Orgânica da Assistência Social, o...

Vacinação de crianças é garantia constitucional, diz conselheiro do CNJ

A garantia constitucional dos direitos fundamentais de crianças e adolescentes, incluindo o direito à vacinação contra a Covid-19, será...

Órfãos de vítimas de feminicídio têm apoio da Defensoria Pública no Amazonas

Em 2017, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) concluiu que o Amazonas era o terceiro estado com maior proporção...

Intranquilidade e instabilidade social causadas pelo crime impõe prisão preventiva, fixa TJAM

O fato do agente do crime ostentar maus antecedentes, reincidência, atos infracionais pretéritos, inquéritos ou mesmo ações penais em...