MPF é contra transferência de militar e dependente para universidade federal na BA

MPF é contra transferência de militar e dependente para universidade federal na BA

Órgão investiga indícios de irregularidades em dezenas de transferências de policiais militares para a Univasf, em Paulo Afonso (BA), em afronta a lei e princípios jurídicos

O Ministério Público Federal (MPF) emitiu pareceres, em dois mandados de segurança, contrários à transferência de um policial militar e de um dependente para o curso de medicina da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf), em Paulo Afonso (BA). Para o MPF, as medidas requeridas não atendem normas legais e princípios jurídicos. Ambos os estudantes já residiam em localidades diferentes de onde estudavam antes de as transferências por interesse do serviço terem sido feitas pela Polícia Militar (PM) na Bahia. A responsável pelo caso é a procuradora da República em Petrolina/Juazeiro (PE/BA) Ticiana Sales Nogueira.

O MPF entende que a lei que assegura o direito à continuidade dos estudos dos militares em caso de transferência ex officio, ou seja, por interesse do serviço, esteja sendo usada para burlar o sistema de ingresso na universidade federal. Conforme consta no parecer, a lei estipula que deverá haver mudança de domicílio para que seja gerado o direito a transferência entre instituições de ensino, garantindo-se acesso a educação que existia no domicílio anterior.

No entanto o policial militar que ajuizou o mandado de segurança havia ingressado em instituição de ensino particular, no semestre anterior, em cidade distante mais de 400 km da localidade em que já prestava serviço. Ele próprio alegou no processo que estava lotado na Polícia Militar (PM) em Abaré (BA) e estudava, por escolha própria, em instituição particular localizada em Jacobina (BA). Já o filho de outro policial militar, também requerendo decisão judicial para ser aceito na Univasf, morava em Juazeiro (BA), onde também estudava em faculdade particular. Seu pai foi transferido de Capim Grosso (BA) para Paulo Afonso.

A procuradora da República argumenta que o Supremo Tribunal Federal (STF) já decidiu no sentido de que a transferência de servidores civis ou militares de instituições de ensino públicas para particulares é uma exceção. A medida deve ser usada apenas quando é a única possibilidade de continuidade dos estudos, sob pena de afronta aos princípios jurídicos do concurso público e da isonomia.

Para o MPF, caso a transferência entre instituições não congêneres não fosse considerada medida excepcional, “um caminho bem mais fácil de acesso a curso extremamente disputado e gratuito, como o de medicina e outros, seria aberto para alguns cidadãos, sem qualquer fundamento proporcional e razoável”.

Transferências suspeitas – A Pró-Reitoria da Univasf havia negado os pedidos de transferência tanto do policial quanto do dependente, que depois ingressaram com os mandados de segurança na Justiça Federal. A alegação da universidade foi de que o grande número de transferências recebidas estava prejudicando a estrutura, o orçamento e o serviço público de ensino prestado.

O MPF instaurou o procedimento, no ano passado, para apurar indícios de improbidade administrativa por parte da PM diante de inúmeras transferências de policiais militares do Estado da Bahia para a cidade de Paulo Afonso, gerando o ingresso deles e de familiares em universidades públicas. O órgão investigará, entre outros aspectos, se há excesso ou desproporcionalidade na remoção de militares para o Batalhão de Paulo Afonso, analisando a relação entre o efetivo e as necessidades locais.

Processo nº 08010944120214058308

 

Fonte: Ascom MPF-PE

Leia mais

Provado o latrocínio tentado com o testemunho da vítima do assalto, mantém-se condenação em Manaus

Bruno Tafaréu Gonçalves Figueiredo foi condenado ante a 6ª. Vara Criminal de Manaus por haver tentado a subtração de coisa alheia móvel mediante violência...

Confusão de fundamentos jurídicos impedem conhecimento de Reclamação Constitucional pelo TJAM

Em reclamação constitucional proposta por Maria Ocilene Sena Cruz contra a Segunda Turma Recursal do Juizado Especial Cível do Amazonas, a autora indicou descumprimento...

Mais Lidas

Justiça do Amazonas garante o direito de mulher permanecer com o nome de casada após divórcio

O desembargador Flávio Humberto Pascarelli, da 3ª Câmara Cível...

Professora de Manaus ganha direito a indenização por contrato temporário que excede prazo de 2 anos

Nos autos do processo nº 0665343-39.2019.8.04.0001 que tramitou na...

Gratificação de motorista de viatura Militar no Amazonas se aplica ao soldo, decide Tribunal

Nos autos do processo nº 0244691-47.2011, em julgamento de...

Últimas

TST reconhece natureza salarial do direito de imagem de jogador do Coritiba Foot Ball Club

A Subseção I Especializada em Dissídios Individuais (SDI-1) do Tribunal Superior do Trabalho reconheceu a natureza salarial da parcela...

TST decide que causas múltiplas de lesão na coluna não afastam direito de empregado à estabilidade

A Quarta Turma do Tribunal Superior do Trabalho reconheceu o direito de um auxiliar de produção despedido pela Cimento...

STJ confirma corte de candidata cotista por comissão formada após homologação do concurso

Por considerar válida a aferição das características dos candidatos em cota racial realizada quatro anos após a publicação do...

Provado o latrocínio tentado com o testemunho da vítima do assalto, mantém-se condenação em Manaus

Bruno Tafaréu Gonçalves Figueiredo foi condenado ante a 6ª. Vara Criminal de Manaus por haver tentado a subtração de...