MPAM exige comprovação de vacina contra covid-19 na retomada das atividades presenciais

MPAM exige comprovação de vacina contra covid-19 na retomada das atividades presenciais

O Ministério Público do Amazonas (MPAM), por meio do Ato nº 270/2021/PGJ, publicado nesta quinta-feira, 29/09, agendou para o próximo dia 18 de outubro a retomada das atividades presenciais em todas as unidades do órgão ministerial. Para a retomada do serviço presencial, todos os membros, servidores e demais colaboradores do Órgão deverão comprovar que tomaram as duas doses da vacina contra a covid-19. Apenas lactantes e mães com filhos menores de 12 meses permanecerão em trabalho remoto.

A exigência de comprovante de vacinação se aplica a todos que fazem parte do Órgão, incluindo-se também funcionários das empresas terceirizadas e instituições bancárias, bem como ao público em geral. Exceções só serão permitidas mediante laudo/relatório médico que demonstre impedimento à vacinação.

Os prazos de resposta imune de cada marca de vacina devem ser respeitados, conforme o ciclo estabelecido em bula: 14 dias ou mais, após a segunda dose da vacina Coronavac; sete dias ou mais, após a segunda dose da vacina Pfizer; 14 dias ou mais, após a vacina Janssen; 28 dias, após a segunda dose da vacina Fiocruz/AstraZeneca.

As pessoas do grupo de risco que demonstrem, por relatório médico justificado, impedimento à vacinação, permanecerão em regime de trabalho remoto. A comprovação também pode ser feita mediante apresentação de certificado digital de vacinas, disponível na plataforma do Sistema Único de Saúde (Conecte SUS), ou comprovante/caderneta/cartão de vacinação impresso em papel timbrado, emitido no momento da vacinação por instituição governamental nacional ou estrangeira ou institutos de pesquisa clínica, à Diretoria-Geral do MPAM.

O prazo para a apresentação dos comprovantes de vacinação é de cinco dias úteis, contado da publicação do ato ou da data em que foram vacinados, quando imunizados em data posterior a essa veiculação.

Fonte:Asscom MPAM

Leia mais

No Amazonas, militar que responde processo não tem direito ao afastamento para reserva remunerada

O Militar que responde inquérito ou processo em qualquer jurisdição não tem direito ao afastamento para a reserva remunerada, assim concluiu o Pleno do...

Violência Doméstica: Homem é condenado pelo TJAM por ameaçar atear fogo em casa

Luís Carlos Moreira Maciel foi condenado ante o juízo da Vara Única de Nova Olinda do Norte após ser julgada procedente ação penal promovida...

Mais Lidas

Justiça do Amazonas garante o direito de mulher permanecer com o nome de casada após divórcio

O desembargador Flávio Humberto Pascarelli, da 3ª Câmara Cível...

Professora de Manaus ganha direito a indenização por contrato temporário que excede prazo de 2 anos

Nos autos do processo nº 0665343-39.2019.8.04.0001 que tramitou na...

Gratificação de motorista de viatura Militar no Amazonas se aplica ao soldo, decide Tribunal

Nos autos do processo nº 0244691-47.2011, em julgamento de...

Últimas

TJSC diz que empresa não poderá negativar noivos que cancelaram festa em razão da Covid

Santa Catarina - Entre as inúmeras relações contratuais impactadas pela Covid-19, a indústria do casamento não foi exceção. Abalado...

Casal acusado de torturar filha de sete meses tem prisão preventiva decretada no Rio de Janeiro

Rio de Janeiro - Em audiência de custódia realizada no domingo (24/10), a juíza Ariadne Villela Lopes converteu em...

Acusado de espancar idoso em via pública no Distrito Federal é condenado a 37 anos de prisão

O Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios condenou Gabriel Ferreira de Souza Vidal a 37 anos e...

No Amazonas, militar que responde processo não tem direito ao afastamento para reserva remunerada

O Militar que responde inquérito ou processo em qualquer jurisdição não tem direito ao afastamento para a reserva remunerada,...