Justiça do Amazonas decide que negativação por operadora de telefonia gera danos morais

Justiça do Amazonas decide que negativação por operadora de telefonia gera danos morais

A pessoa que tem seu nome inscrito nos órgãos de proteção ao crédito sofre restrições diretas desse fato, uma vez que o seu nome ficará registrado como inadimplente — situação daquele que não pagou uma dívida — em que o nome do consumidor ficará constando nos registros das entidades de crédito, até que pague a “dívida”.

Ocorre que há circunstâncias em que a dívida levada a registro é incorreta, surgindo para o prejudicado o direito de pedir ao juiz que determine que a situação seja reparada.

Nos autos do processo nº 0669091-45.2020, oriundos da 14ª Vara Cível e de Acidentes de Trabalho, o autor moveu ação declaratória de inexistência de debito com pedido de indenização por danos morais contra a Vivo S/A, e pediu que se reconhecesse a falta de justa causa para a cobrança do débito pela empresa e que não deveria ter tido o seu nome negativado e registrado pelo cadastro de inadimplentes.

O pedido foi acolhido pelo juiz de 1° grau, mas a reparação do dano resultou em valores que não corresponderam a expectativa do autor da ação.

O autor apelou do recurso.

A Terceira Câmara Cível do TJAM, sob a relatoria do desembargador Airton Luís Corrêa Gentil decidiu que: “O dano moral se mostra patente. Considerando as condições financeiras das partes e o fato de ser este o único registro do apelante no cadastro de inadimplentes, o valor atribuído se mostra irrisório, insuficiente a compensar os danos causados e atingir sua finalidade da sanção reparatória. Dessa forma, impõe-se a majoração do quantum indenizatória a um valor que se encontre dentro dos parâmetros da razoabilidade e da proporcionalidade e dentro dos limites estabelecidos pelo Tribunal cidadão.”

O voto do Relator Airton Luís Corrêa Gentil foi seguido à unanimidade pelos demais juízes da Câmara.

Leia o acordão 

Loader Loading...
EAD Logo Taking too long?

Reload Reload document
| Open Open in new tab

Baixar arquivo [118.14 KB]

 

Leia mais

TJAM diz que ordem judicial para retirada de matéria de site é censura prévia

Ao examinar e julgar autos de recurso de agravo de instrumento interposto por Revista Cenarium contra decisão interlocutória da 12ª. Vara Cível de Manaus,...

Paternidade não pode ser rescindida por falta de intimação pessoal para audiência em Manaus

Na ação Rescisória proposta por R.C.R contra Mirela Brito Reis e Milena de Souza Brito, nos autos de processo 4007638-33.2020, julgou-se improcedentes os pedidos...

Mais Lidas

Justiça do Amazonas garante o direito de mulher permanecer com o nome de casada após divórcio

O desembargador Flávio Humberto Pascarelli, da 3ª Câmara Cível...

Gratificação de motorista de viatura Militar no Amazonas se aplica ao soldo, decide Tribunal

Nos autos do processo nº 0244691-47.2011, em julgamento de...

Professora de Manaus ganha direito a indenização por contrato temporário que excede prazo de 2 anos

Nos autos do processo nº 0665343-39.2019.8.04.0001 que tramitou na...

Últimas

TJAM diz que ordem judicial para retirada de matéria de site é censura prévia

Ao examinar e julgar autos de recurso de agravo de instrumento interposto por Revista Cenarium contra decisão interlocutória da...

Paternidade não pode ser rescindida por falta de intimação pessoal para audiência em Manaus

Na ação Rescisória proposta por R.C.R contra Mirela Brito Reis e Milena de Souza Brito, nos autos de processo...

Promessa de compra e venda de imóvel em Manaus não cumprida no prazo, gera rescisão com juros

O Tribunal de Justiça do Amazonas tem mantido decisões que acolhem pedidos de consumidores por rescisão unilateral de contrato...

DPE/AM desconstitui sentença por não ter sido intimada para a defesa de vulneráveis

As Câmaras Reunidas do Tribunal de Justiça do Amazonas reconheceram com voto do Desembargador Délcio Luís Santos que a...