Homem flagrado com um quilo de cocaína no aeroporto é condenado por tráfico de drogas

Homem flagrado com um quilo de cocaína no aeroporto é condenado por tráfico de drogas

A recompensa seria R$ 5 mil. O serviço era levar um quilo de cocaína de Rio Branco para João Pessoa, capital da Paraíba. Com um filho para sustentar e vivendo grandes dificuldades financeiras, o ajudante de pedreiro decidiu ser mula do tráfico, mesmo sabendo que se trata de um crime hediondo.

Ele foi flagrado no último mês de fevereiro no Aeroporto Plácido de Castro. Ao averiguar o raio-x, a Polícia Federal percebeu um volume preso as pernas do passageiro e o disfarce foi facilmente identificado quando foi feita a revista.

De acordo com o inquérito policial, ele não tinha sequer a passagem de retorno comprada. Recebeu a droga em uma chácara e seria pago só depois da entrega.

O juiz de Direito Cloves Augusto destacou que apesar de estar desempregado, o réu recebeu auxílio-emergencial, o que não justifica a conduta criminosa. “O acusado afirma que praticou o crime por questão de necessidade financeira, mas foi beneficiário do auxílio-emergencial, de modo que, embora auxiliado pela sociedade por meio de assistência obtida dos impostos, acabou por se voltar contra essa sociedade praticando crime contra a saúde pública – transportando droga que é usada para viciar pessoas e destruir famílias”, afirmou o magistrado.

Além disso, ao se verificar os antecedentes criminais, havia registro de que ele foi preso em outubro de 2020 com cocaína e portando uma pistola de pressão adaptada para receber munição.

“O réu voltou a incorrer em nova conduta delituosa”, enfatizou na dosimetria da pena. Por isso, ele foi condenado a oito anos, quatro meses e 24 dias de reclusão, em regime inicial fechado, mais o pagamento de 600 dias-multa.

A sentença é proveniente da 4ª Vara Criminal Rio Branco e está disponível na edição n° 6.853 do Diário da Justiça Eletrônico (pág. 54), da última sexta-feira, 18.

Fonte: TJAC

Leia mais

Provado o latrocínio tentado com o testemunho da vítima do assalto, mantém-se condenação em Manaus

Bruno Tafaréu Gonçalves Figueiredo foi condenado ante a 6ª. Vara Criminal de Manaus por haver tentado a subtração de coisa alheia móvel mediante violência...

Confusão de fundamentos jurídicos impedem conhecimento de Reclamação Constitucional pelo TJAM

Em reclamação constitucional proposta por Maria Ocilene Sena Cruz contra a Segunda Turma Recursal do Juizado Especial Cível do Amazonas, a autora indicou descumprimento...

Mais Lidas

Justiça do Amazonas garante o direito de mulher permanecer com o nome de casada após divórcio

O desembargador Flávio Humberto Pascarelli, da 3ª Câmara Cível...

Professora de Manaus ganha direito a indenização por contrato temporário que excede prazo de 2 anos

Nos autos do processo nº 0665343-39.2019.8.04.0001 que tramitou na...

Gratificação de motorista de viatura Militar no Amazonas se aplica ao soldo, decide Tribunal

Nos autos do processo nº 0244691-47.2011, em julgamento de...

Últimas

TST decide que causas múltiplas de lesão na coluna não afastam direito de empregado à estabilidade

A Quarta Turma do Tribunal Superior do Trabalho reconheceu o direito de um auxiliar de produção despedido pela Cimento...

STJ confirma corte de candidata cotista por comissão formada após homologação do concurso

Por considerar válida a aferição das características dos candidatos em cota racial realizada quatro anos após a publicação do...

Provado o latrocínio tentado com o testemunho da vítima do assalto, mantém-se condenação em Manaus

Bruno Tafaréu Gonçalves Figueiredo foi condenado ante a 6ª. Vara Criminal de Manaus por haver tentado a subtração de...

Confusão de fundamentos jurídicos impedem conhecimento de Reclamação Constitucional pelo TJAM

Em reclamação constitucional proposta por Maria Ocilene Sena Cruz contra a Segunda Turma Recursal do Juizado Especial Cível do...