Esmam abre inscrições para curso Direito Digital voltado para magistrados e servidores do TJAM

Esmam abre inscrições para curso Direito Digital voltado para magistrados e servidores do TJAM

A Escola Superior da Magistratura do Amazonas (Esmam) promoverá no período de 16 a 19 de novembro o curso “Direito Digital: aspectos gerais”, mediado por tecnologia (síncrono e assíncrono). As inscrições para magistrados (as) e servidores (as) interessados (as) em participar da formação estarão abertas até o dia 12 de novembro, devendo ser efetuadas no Ambiente Virtual de Aprendizagem-AVA, site www.esmam.tjam.jus.br

Com carga horária de 20 horas/aula, de 60 minutos cada uma, o curso será transmido pela plataforma Zoom. São ofertadas 40 vagas destinadas a magistrados (as) e servidores (as) do TJAM. O certificado terá validade para Promoção e Vitaliciamento.

O Direito Digital é um ramo razoavelmente novo do Direito e lida diretamente com o uso da tecnologia, em particular da internet e dos meios digitais, buscando normatizações e regulamentações do uso dos ambientes digitais pelas pessoas, além de oferecer proteção de informações contidas nesses espaços e em aparelhos eletrônicos, tornando-se cada vez mais relevante para a proteção das informações das pessoas.

A Esmam, preocupada em oferecer a seus (suas) magistrados (as) e servidores (as) conhecimentos necessários relativos ao esse contexto, pretende oferecer cursos ligados a essa temática. No caso do “Curso Direito Digital: aspectos gerais”, o objetivo é dispor de subsídios teóricos e práticos frente às questões que envolvam litígios na era digital.

A proposta metodológica do curso foi elaborada com o objetivo de desenvolver conhecimentos específicos e estimular debates críticos, buscando sempre refletir sobre as situações concretas da prática jurisdicional e estimular novas práticas. Serão disponibilizados materiais de estudo e estudos de caso, com base no conteúdo proposto. A interação foi planejada para o estabelecimento de diálogo e compartilhamento de experiências entre alunos (os) e tutora e poderá ocorrer de forma assíncrona, em fóruns, ou síncrona, na web, em conferências e chats).

A tutora responsável por lecionar o curso será a juíza de Direito Larissa Pinho, do Tribunal de Justiça de Rondônia (TJRO), que é doutora em Ciências Políticas na linha de Judicialização de Demandas, pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS); mestre em Educação e Políticas Públicas, pela Universidade Federal de Rondônia; e professora titular de Direito Constitucional da Escola da Magistratura (Emeron-Jipa). Ela é autora e coordenadora de obras jurídicas; coordenadora e idealizadora do “Projeto Mediar, eu posso!” e vencedora da Menção Honrosa no “Prêmio Conciliar é Legal”, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

Segundo a juíza, ao mesmo tempo em que a pandemia causou perdas irreparáveis e dificuldades, ela impulsionou o Poder Judiciário rumo a um maior aproveitamento da tecnologia, inclusive suscitando mais produtividade. “A inovação tecnológica traz, naturalmente, insegurança e receio, como tudo o que é novidade. Não há possibilidade de retrocesso, e tenho relatos de inúmeros colegas sobre experiências em que conseguiram fazer audiências com testemunhas que moravam fora do Brasil, além disso, o Direito Digital vem evoluindo ao longo das últimas décadas, assim como o acesso à Justiça, e isso é positivo”, afirmou Larissa Pinho.

De acordo com a magistrada, o avanço e acessibilidade proporcionados pela tecnologia tiveram um impacto também na demanda da Justiça, inclusive com algumas surpresas. “Crimes contra a honra – como calúnia, injúria e difamação – que mostravam tendência de queda há anos, começaram a crescer nesse novo ambiente”, ressaltou.

A juíza Larissa explica, ainda, que apesar da legislação e da jurisprudência já terem um ritmo de avanço considerável, como a aprovação da “Lei Geral de Proteção de Dados”, muitas vezes o (a) magistrado (a) precisa recorrer a outras fontes. “Em algumas situações vamos nos socorrer estudando legislação estrangeira, leis e tratados internacionais”, acrescentou a magistrada.

Fonte: Asscom TJAM

Leia mais

Direito à informações é prerrogativa da Defensoria Pública do Amazonas

Ter acesso às informações que são requisitadas dos órgãos públicos é prerrogativa constitucional da Defensoria Pública do Amazonas, mormente porque a Instituição atua na...

Para TJAM, havendo grave comprometimento da ordem pública não há espaço para a liberdade

Célio Domingos da Silva teve pedido de habeas corpus negado pela Desembargadora Carla Maria Santos dos Reis nos autos do processo nº 4004745-35.2021.8.04.0000, mantendo-se...

Mais Lidas

Justiça do Amazonas garante o direito de mulher permanecer com o nome de casada após divórcio

O desembargador Flávio Humberto Pascarelli, da 3ª Câmara Cível...

Diagnóstico unilateral sobre medição de contadores pela Amazonas Energia é vexatório a consumidor

A concessionária de energia elétrica Amazonas Energia não pode...

Homem que ofereceu carona e estuprou adolescente a caminho da escola em Barreirinha-Am é condenado

Nos autos do processo nº0000395-28.2018.8.04.2700, Josinaldo Souza Teixeira recorreu...

Últimas

Pai, madrasta e avó são condenados pelo Conselho de Sentença no TJRO

Terminou em condenação para os três acusados de matar por espancamento e tortura a menina Lauanny Hester Rodrigues, na...

Juiz não está impedido de atuar em processo que tem parte instituição que exerce magistério

A 5ª Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) julgou prejudicado o incidente de impedimento de um...

TRF1: É constitucional a fixação de taxa para expedição de ART pelo conselho profissional

A 7ª Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) decidiu pela legitimidade da fixação de valor da...

STJ mantém prisão de PM acusado pela morte de criança de cinco anos durante patrulhamento no RJ

O ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Ribeiro Dantas, em decisão monocrática, manteve a prisão do policial militar...