Tribunal do Amazonas diz que não firma sentença que impede prova sobre legitimidade de assinatura

Tribunal do Amazonas diz que não firma sentença que impede prova sobre legitimidade de assinatura

O Tribunal de Justiça do Amazonas por sua Segunda Câmara Cível lavrou entendimento que a controvérsia levantada por Domingos Dionaldo de Souza Rocha nos autos de cobrança que considerou indevida no processo nº 06298884-44.2017, deveria ter tido contorno diverso da decisão judicial que efetivamente impossibilitou que a prova sobre a legitimidade de assinatura fosse produzida. Em processo judicial, o ônus de comprovar a autenticidade de assinatura é da parte que apresenta o documento, quando devidamente impugnado pela parte contrária. Nem o fato de haver firma reconhecida altera essa conclusão, pois a presunção de legalidade após o ato do cartório é cessada pela impugnação. No processo em que o autor moveu contra o Banco Bmg S.A, a instituição bancária apresentou o contrato com assinatura, não sendo permitida prova pericial ante a controvérsia levantada. 

Em processo de apelação, debateu-se as relações de consumo, com discussão sobre contrato de cartão de crédito consignado sobre o qual se imputa haver cobranças indevidas, pedido de realização de prova pericial não pode ser desatendido para solucionar a controvérsia, pois, assim agindo, restará a configuração de nulidade, sintetizou a ementa do acórdão. 

Para o acórdão, importa que as relações de consumo obedeçam aos princípios da transparência, informação e boa-fé. “A violação a uma dessas regras, devido a supremacia técnica e econômica do fornecedor, gera um contrato vicioso e a  obrigação de indenizar o consumidor”.

“Sendo controversos os fatos, e não dispondo o Juiz de conhecimento especializado para solucionar a demanda, é prudente a realização de perícia a fim de constatar as irregularidades com relação à assinatura constante no contrato, configurando cerceamento do direito de defesa o julgamento antecipado da lide”.

Leia o acórdão

Leia mais

TJAM fixa que método bifásico deve ser usado na reparação de dano por morte de preso

Nos autos do processo nº 0698403-66.2020.8.04.0001, a Corte de Justiça do Amazonas concluiu que a morte de preso sob a custódia do Estado importa...

Licença para prêmio não gozado deve ser convertida em pecúnia, diz TJAM

O Tribunal de Justiça do Amazonas tem como pacífico o entendimento de que seja possível a conversão em pecúnia de licença prêmio não gozada...

Mais Lidas

Justiça do Amazonas garante o direito de mulher permanecer com o nome de casada após divórcio

O desembargador Flávio Humberto Pascarelli, da 3ª Câmara Cível...

Diagnóstico unilateral sobre medição de contadores pela Amazonas Energia é vexatório a consumidor

A concessionária de energia elétrica Amazonas Energia não pode...

Homem que ofereceu carona e estuprou adolescente a caminho da escola em Barreirinha-Am é condenado

Nos autos do processo nº0000395-28.2018.8.04.2700, Josinaldo Souza Teixeira recorreu...

Últimas

Juiz deve ser flexível com exigência do laudo médico para ação de interdição, diz STJ

A função do laudo médico exigido para ajuizamento da ação de interdição é fornecer indícios da plausibilidade do pedido...

Pleno do TCE-AM julga contas de Arthur Virgílio Neto e outros 98 processos nesta quinta-feira (9)

O Pleno do Tribunal de Contas do Amazonas (TCE-AM) se reúne em sessão especial nesta quinta-feira (9), às 9h,...

Cejusc Cível realiza mutirão para instrução processual em ações previdenciárias em Itacoatiara

O Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM), por meio do Centro Judiciário de Solução de Conflitos (Cejusc Cível) está...

STF confirma competência da justiça estadual para julgar empresário por corrupção ativa

Por maioria de votos, a Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) declarou a competência da primeira instância da...