Tribunal do Amazonas confirma obrigação constitucional do Estado em fornecer medicação

Tribunal do Amazonas confirma obrigação constitucional do Estado em fornecer medicação

A saúde é um direito fundamental com previsão na Constituição da República. Essa proteção constitucional afirma o dever da administração pública em adotar as providências que sejam necessárias e imprescindíveis para o alcance do bem estar da saúde de todos. Nos autos do processo 0615549-20.2017, o Estado do Amazonas foi condenado a fornecer o medicamento Esbriet (Pirfenidona), 267 mg, para o tratamento da enfermidade indicada nos autos. Foi relator o desembargador Yedo Simões de Oliveira, da Segunda Câmara Cível, que manteve a decisão de primeira instância, oriunda da 2ª. Vara da Fazenda Pública de Manaus. 

O medicamento é utilizado, dentre outras finalidades, para tratamento da fibrose pulmonar idiopática ou tecido de cicatriz,  que provoca  a substituição  de tecido pulmonar normal, ocasionando falta de ar. O esbriet (pirfenidona) traz benefícios ao paciente, em termos de retardo na progressão da doença, ou seja, no declínio da função pulmonar medida em termos de capacidade vital forçada. O medicamento não consta na lista de medicamentos que são oficialmente disponibilizados.

O Estado do Amazonas alegou a tese da reserva do possível ou da quebra do princípio da universalidade. A tese consiste no fato de que o Estado tenha suas limitações ao investir em condições sociais como as condições que lhe são exigidas para investimento na saúde, implicando em que, ao atender um único indivíduo, como no caso do paciente/apelado outros ficariam desassistidos em face das barreiras dispostas na lei orçamentária, havendo um desequilíbrio por falta de disponibilidade financeira. Haveria, assim, por esse raciocínio, a quebra do próprio princípio da universalidade, que é dado a todos de serem assistidos na mesma condição de igualdade. 

O Relator, ao apreciar as argumentações do Estado, deliberou que “incorrigível é o entendimento do juízo a quo que determinou o fornecimento da medicação, concretizando o direito à saúde, constitucionalmente protegido. Não pode o Ente Público esquivar-se de sua responsabilidade de concretizar o mandamento constitucional, sob o argumento da reserva do possível ou quebra do princípio da universalidade.”

O Recurso foi conhecido, mas não obteve acolhida, sendo rejeitado.

Leia o acórdão

Loader Loading...
EAD Logo Taking too long?

Reload Reload document
| Open Open in new tab

Baixar arquivo [103.67 KB]

 

Leia mais

Provado o latrocínio tentado com o testemunho da vítima do assalto, mantém-se condenação em Manaus

Bruno Tafaréu Gonçalves Figueiredo foi condenado ante a 6ª. Vara Criminal de Manaus por haver tentado a subtração de coisa alheia móvel mediante violência...

Confusão de fundamentos jurídicos impedem conhecimento de Reclamação Constitucional pelo TJAM

Em reclamação constitucional proposta por Maria Ocilene Sena Cruz contra a Segunda Turma Recursal do Juizado Especial Cível do Amazonas, a autora indicou descumprimento...

Mais Lidas

Justiça do Amazonas garante o direito de mulher permanecer com o nome de casada após divórcio

O desembargador Flávio Humberto Pascarelli, da 3ª Câmara Cível...

Professora de Manaus ganha direito a indenização por contrato temporário que excede prazo de 2 anos

Nos autos do processo nº 0665343-39.2019.8.04.0001 que tramitou na...

Gratificação de motorista de viatura Militar no Amazonas se aplica ao soldo, decide Tribunal

Nos autos do processo nº 0244691-47.2011, em julgamento de...

Últimas

Provado o latrocínio tentado com o testemunho da vítima do assalto, mantém-se condenação em Manaus

Bruno Tafaréu Gonçalves Figueiredo foi condenado ante a 6ª. Vara Criminal de Manaus por haver tentado a subtração de...

Confusão de fundamentos jurídicos impedem conhecimento de Reclamação Constitucional pelo TJAM

Em reclamação constitucional proposta por Maria Ocilene Sena Cruz contra a Segunda Turma Recursal do Juizado Especial Cível do...

Município de Coari deve indenizar servidor em R$5.000 reais por não pagamento de remuneração mensal

Em ação movida por Líbio Brasileiro Júnior contra a Prefeitura Municipal de Coari, no Estado do Amazonas, o servidor...

Não há impedimento de acesso à leitura da energia em Manaus se o consumidor não é comunicado

A alegação pela Amazonas Energia de que fora impedida de fazer a leitura do consumo de energia na unidade...