TJAM registrou distribuição de 6,5 mil processos de estelionato desde 2011

TJAM registrou distribuição de 6,5 mil processos de estelionato desde 2011

O magistrado Henrique Veiga Lima orienta as pessoas a desconfiarem de preço de produtos abaixo do valor de mercado, pois têm observado que grande parte dos crimes surge com anúncios eletrônicos.

O número de processos relacionados a estelionato no Judiciário amazonense, nos últimos dez anos, foi superior a 6 mil, segundo dados levantados pelo Núcleo de Estatística e Gestão Estratégica do Tribunal de Justiça do Amazonas.

De 2011 até este ano, foram distribuídas 6.548 ações tipificadas como estelionato ou estelionato majorado, cadastrados nos sistemas SAJ e Projudi, havendo uma variação de aumento no decorrer dos anos, como mostram os dados: foram 425 processos distribuídos em 2011; 659 cinco anos depois; e 803 no ano passado.

Os números podem ser maiores, pois o levantamento não abrange processos classificados como Mandado de Segurança, Ações Coletivas propostas pelo Ministério Público ou Defensoria Pública, ou outros tipos de processos que tratem do assunto em seu teor.

Previsto no Código Penal brasileiro, instituído pelo Decreto-Lei n.º 2.848/1940, em seu artigo 171, o crime refere-se a “obter, para si ou para outrem, vantagem ilícita, em prejuízo alheio, induzindo ou mantendo alguém em erro, mediante artifício, ardil, ou qualquer outro meio fraudulento”.

O conhecido “171” leva muitas vítimas a expectativas e prejuízos, e hoje em dia ficou ainda mais amplo com o uso da internet para golpes por meio de aplicativos e anúncios em sites e plataformas diversas.

O juiz Henrique Veiga Lima, titular da 9.ª Vara Criminal de Manaus, observa que o crime ocorre quando uma pessoa induz outra a erro para ter vantagem e que são comuns situações em que alguém considera-se esperto e deixa-se ser levado por outro mais esperto.

O magistrado afirma que tempos atrás era comum a emissão de cheques sem fundo e que atualmente “grande parte dos crimes de estelionato nasce com sites de anúncios”. Ele aponta aqueles anúncios com preços convidativos, em que “uma pessoa pensa que terá ganho e entra numa grande fria”, citando como mais comuns os estelionatos envolvendo a venda de terrenos, carros, motocicletas e celulares.

São frequentes casos em que o vendedor oferece um bem por valor menor do que vale, diz o juiz, indicando como exemplo uma motocicleta que custa R$ 15 mil e é anunciada por R$ 5 mil; o vendedor pede um sinal, faz recibo no cartório (sem valor e que não serve para prova), o comprador pensa que “amarrou” a compra, mas ao final descobre que o anunciante não era o dono do bem.

Segundo o juiz, as penas variam de um a cinco anos e quando o réu é primário, com bons antecedentes, pode ser beneficiado com o artigo 89 da Lei n.º 9.099/1995 (suspensão do processo); e acrescenta que em boa parte das vezes o criminoso não tem dinheiro para pagar os “desavisados”.

Como forma de prevenção, o juiz Henrique Veiga Lima orienta as pessoas a não aceitarem ou desconfiarem de preço vil, abaixo do praticado no mercado, não deixarem iludir-se por conversas, ficarem atentas e nunca confiarem em quem promete entregar a documentação posteriormente.

Fonte: TJAM

Leia mais

TJAM diz que ordem judicial para retirada de matéria de site é censura prévia

Ao examinar e julgar autos de recurso de agravo de instrumento interposto por Revista Cenarium contra decisão interlocutória da 12ª. Vara Cível de Manaus,...

Paternidade não pode ser rescindida por falta de intimação pessoal para audiência em Manaus

Na ação Rescisória proposta por R.C.R contra Mirela Brito Reis e Milena de Souza Brito, nos autos de processo 4007638-33.2020, julgou-se improcedentes os pedidos...

Mais Lidas

Justiça do Amazonas garante o direito de mulher permanecer com o nome de casada após divórcio

O desembargador Flávio Humberto Pascarelli, da 3ª Câmara Cível...

Gratificação de motorista de viatura Militar no Amazonas se aplica ao soldo, decide Tribunal

Nos autos do processo nº 0244691-47.2011, em julgamento de...

Professora de Manaus ganha direito a indenização por contrato temporário que excede prazo de 2 anos

Nos autos do processo nº 0665343-39.2019.8.04.0001 que tramitou na...

Últimas

TJAM diz que ordem judicial para retirada de matéria de site é censura prévia

Ao examinar e julgar autos de recurso de agravo de instrumento interposto por Revista Cenarium contra decisão interlocutória da...

Paternidade não pode ser rescindida por falta de intimação pessoal para audiência em Manaus

Na ação Rescisória proposta por R.C.R contra Mirela Brito Reis e Milena de Souza Brito, nos autos de processo...

Promessa de compra e venda de imóvel em Manaus não cumprida no prazo, gera rescisão com juros

O Tribunal de Justiça do Amazonas tem mantido decisões que acolhem pedidos de consumidores por rescisão unilateral de contrato...

DPE/AM desconstitui sentença por não ter sido intimada para a defesa de vulneráveis

As Câmaras Reunidas do Tribunal de Justiça do Amazonas reconheceram com voto do Desembargador Délcio Luís Santos que a...