TJAM reconhece dano moral a consumidora que não recebeu dentro do prazo imóvel contratado

TJAM reconhece dano moral a consumidora que não recebeu dentro do prazo imóvel contratado

Se ultrapassado o prazo de tolerância de 180 (cento e oitenta) dias para a entrega do imóvel, pode ocasionar a rescisão do contrato de compra e venda e o reconhecimento de danos morais de acordo com a situação concreta, como sói ocorreu nos autos do processo nº 0640822-69.2015, em ação judicial discutida entre Construtora Capital S.A. , São Daniel Empreendimentos Imobiliário e outro, bem como Alline Jéssica Ribeira Cruz Campo Vieira e Mario Alberto da Silveira Dib, com reconhecimento de lucros cessantes e dano moral, determinando-se a restituição do valor pago na forma parcial, com retenção de 10% (dez por cento) do total adimplido. Foi relator o Desembargador João de Jesus Abdala Simões.

Segundo o relator, a causa examinada não autorizou o reconhecimento de culpa exclusiva dos promitentes-vendedores, o que motivou a decisão de restituição do valor pago na modalidade parcial, aplicando-se a Súmula 543 do Superior Tribunal de Justiça. De acordo com a súmula, na hipótese de inadimplemento da incorporadora pode o consumidor recuperar o que pagou, mas somente uma parte se foi ele que deu causa a extinção do contrato.

“Na hipótese dos autos, não podendo ser atribuída culpa exclusiva às promitentes-vendedoras, a restituição do valor adimplido em razão do contrato de promessa de compra-venda deve ser operado de forma parcial, isto é, com autorização de retenção de percentual par parte das vendedoras”.

“Consoante as particularidades do caso concreto, fica autorizada a retenção de 10% (dez por cento) do valor pago pelos promitentes-compradores. Em relação à validade do prazo de tolerância de 180 (cento e oitenta) dias, o Superior Tribunal de Justiça tem se posicionado pela legitimidade da cláusula e, por consequência, entende que a mesma deve ser observada nas relações contratuais que a prevejam”.

Leia o acórdão

Loader Loading...
EAD Logo Taking too long?

Reload Reload document
| Open Open in new tab

Baixar arquivo [254.53 KB]

 

Leia mais

Habeas Corpus de ofício em 2ª. instância ocorre somente em caso de patente ilegalidade, julga TJAM

O Defensor Público Fernando Figueiredo Serejo Mestrinho recorreu de decisão monocrática do Desembargador José Hamilton Saraiva dos Santos que indeferiu, liminarmente, pedido de concessão...

Renúncia de advogado implica que parte cumpra dever de constituição de novo causídico, diz TJAM

Nos autos do processo 0004715-68.2021.8.04.0000, o Desembargador Paulo César Caminha e Lima negou provimento a agravo regimental no qual J. L. Chaar Simão-Amazon Print...

Mais Lidas

Justiça do Amazonas garante o direito de mulher permanecer com o nome de casada após divórcio

O desembargador Flávio Humberto Pascarelli, da 3ª Câmara Cível...

Professora de Manaus ganha direito a indenização por contrato temporário que excede prazo de 2 anos

Nos autos do processo nº 0665343-39.2019.8.04.0001 que tramitou na...

Gratificação de motorista de viatura Militar no Amazonas se aplica ao soldo, decide Tribunal

Nos autos do processo nº 0244691-47.2011, em julgamento de...

Últimas

Barroso suspende decisão que mandou Twitter apagar posts de jornalista

O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), suspendeu nesta terça-feira (26) decisão de um juiz de...

Pleno do TJAM realiza remoção de juízes para comarcas do interior

O Pleno do Tribunal de Justiça do Amazonas realizou na sessão desta terça-feira (26/10) a escolha de magistrados em...

Em Humaitá, servidor é condenado a quase 10 anos por estuprar subordinada em instituição pública

O Ministério Público do Amazonas obteve, no último dia 19/10, o afastamento do cargo de um servidor público condenado...

TRT-AM não reconhece relação de emprego em consultoria prestada após demissão

Um profissional contratado como consultor um dia após ser dispensado do cargo de gerente geral não conseguiu comprovar na...