TJAM exige que haja má-fé de banco para devolução em dobro de valores descontados indevidamente

TJAM exige que haja má-fé de banco para devolução em dobro de valores descontados indevidamente

O Tribunal de Justiça do Amazonas decidiu em julgamento de recurso de apelação interposto pelo Banco Brasileiro dos Descontos – Bradesco – contra Alcicarlos Mores da Silva que embora tenha ocorrido abusividade na cobrança de taxas de serviços bancários com o cliente/apelado, não fora correta a decisão que determinou a devolução ao dobro das quantias indevidamente descontadas na conta corrente do autor, pois, a devolução em dobro dos valores descontados exige que o fornecedor, no caso a Instituição Bancária, tenha agido com má fé, o que não teria ocorrido ante o material depreendido dos autos do processo nº 0649206-16.2018, com origem na 19ª. Vara Cível de Manaus em ação de cobrança cumulada com danos morais. Foi relator o Desembargador Flávio Humberto Pascarelli.

Para o relator, a interpretação do artigo 42, parágrafo único do Código de Defesa do Consumidor prevê que havendo engano justificável, a devolução será na forma simples, e não em dobro do que o consumidor pagou em excesso.

O relator ainda observou que a legalidade da cobrança de tarifas bancárias deve ser analisada à luz da lei 4.595/1964, que “regula o sistema financeiro nacional e determina que compete ao Conselho Monetário Nacional limitar, sempre que necessário, as taxas de juros, descontos, comissões e qualquer outra forma de remuneração de operações e serviços bancários ou financeiros”.

Finalizou afirmando que “a aplicação do parágrafo único do artigo 42 do Código de Defesa do Consumidor, que determina a devolução em dobro do indébito, exige, além da cobrança de quantia indevida, a configuração de má fé do credor. Para esses casos, o valor de R$ 5.000,00 (cinco mil reais) mostra-se razoável para fins de compensar o abalo moral sofrido pela redução patrimonial do consumidor”.

Leia o acórdão

Loader Loading...
EAD Logo Taking too long?

Reload Reload document
| Open Open in new tab

Baixar arquivo [174.92 KB]

 

 

Leia mais

No Amazonas, militar que responde processo não tem direito ao afastamento para reserva remunerada

O Militar que responde inquérito ou processo em qualquer jurisdição não tem direito ao afastamento para a reserva remunerada, assim concluiu o Pleno do...

Violência Doméstica: Homem é condenado pelo TJAM por ameaçar atear fogo em casa

Luís Carlos Moreira Maciel foi condenado ante o juízo da Vara Única de Nova Olinda do Norte após ser julgada procedente ação penal promovida...

Mais Lidas

Justiça do Amazonas garante o direito de mulher permanecer com o nome de casada após divórcio

O desembargador Flávio Humberto Pascarelli, da 3ª Câmara Cível...

Professora de Manaus ganha direito a indenização por contrato temporário que excede prazo de 2 anos

Nos autos do processo nº 0665343-39.2019.8.04.0001 que tramitou na...

Gratificação de motorista de viatura Militar no Amazonas se aplica ao soldo, decide Tribunal

Nos autos do processo nº 0244691-47.2011, em julgamento de...

Últimas

TJSC diz que empresa não poderá negativar noivos que cancelaram festa em razão da Covid

Santa Catarina - Entre as inúmeras relações contratuais impactadas pela Covid-19, a indústria do casamento não foi exceção. Abalado...

Casal acusado de torturar filha de sete meses tem prisão preventiva decretada no Rio de Janeiro

Rio de Janeiro - Em audiência de custódia realizada no domingo (24/10), a juíza Ariadne Villela Lopes converteu em...

Acusado de espancar idoso em via pública no Distrito Federal é condenado a 37 anos de prisão

O Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios condenou Gabriel Ferreira de Souza Vidal a 37 anos e...

No Amazonas, militar que responde processo não tem direito ao afastamento para reserva remunerada

O Militar que responde inquérito ou processo em qualquer jurisdição não tem direito ao afastamento para a reserva remunerada,...