TJAM: Concessionária não responde por vícios no automóvel se identificado o fabricante nos autos

TJAM: Concessionária não responde por vícios no automóvel se identificado o fabricante nos autos

O comerciante somente é responsável pela reparação de danos em produtos com defeitos de fabricação que venha a causar, na hipótese de não ser possível a identificação do fabricante, assim decidiu em embargos de declaração de nº 0004534-67.2021.8.04.0000, o Desembargador Cláudio César Ramalheira Roessing, proposto por RDZ Comércio de Veículos Ltda-Mavel, em ação movida por Taqueu de Souza Craveiro. A empresa/ recorrente se irresignou contra decisão em segunda instância porque teria direito a ser apreciado o fato de que não seria a parte legítima contra a qual a ação do embargado deveria se direcionar. O recurso foi provido. 

Em apreciação do recurso, ao qual foram emprestados efeitos infringentes, o Tribunal do Amazonas considerou que “a responsabilidade do fabricante pelos vícios  de fabricação no automóvel está prevista no Código de Defesa do Consumidor” reconhecendo a procedência dos embargos. 

A tese foi acolhida porque o próprio Apelado sustentou que seu veículo apresentou defeitos de fabricação, ou seja, vício não originada na esfera de vigilância da embargante, que tão somente comercializa o produto. A previsão encontra-se definida nos artigos 12, 13, I, do Código de Defesa do Consumidor. 

“No caso em análise, o fabricante é identificado: Volkswagen do Brasil. Por esse motivo, entendo que o fabricante identifica nos autos é o responsável atribuído pela lei consumerista à extensão de entregar o automóvel novo com os defeitos”. Foi afastada a responsabilidade do comerciante. 

Leia o acórdão 

Leia mais

Intranquilidade e instabilidade social causadas pelo crime impõe prisão preventiva, fixa TJAM

O fato do agente do crime ostentar maus antecedentes, reincidência, atos infracionais pretéritos, inquéritos ou mesmo ações penais em curso demonstram não apenas o...

TJAM: Período pandêmico revelador de maior violência doméstica importa uso das medidas protetivas

O macro cenário de indefensibilidade da mulher nas relações domésticas atualmente vem se agravando em razão da pandemia da Covid-19, daí que importa o...

Mais Lidas

Justiça do Amazonas garante o direito de mulher permanecer com o nome de casada após divórcio

O desembargador Flávio Humberto Pascarelli, da 3ª Câmara Cível...

TJAM: União Estável proporciona direito a pensão por morte do companheiro sobrevivente

Em matéria de direito previdenciário nos autos do processo...

Diagnóstico unilateral sobre medição de contadores pela Amazonas Energia é vexatório a consumidor

A concessionária de energia elétrica Amazonas Energia não pode...

Últimas

Vacinação de crianças é garantia constitucional, diz conselheiro do CNJ

A garantia constitucional dos direitos fundamentais de crianças e adolescentes, incluindo o direito à vacinação contra a Covid-19, será...

Órfãos de vítimas de feminicídio têm apoio da Defensoria Pública no Amazonas

Em 2017, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) concluiu que o Amazonas era o terceiro estado com maior proporção...

Intranquilidade e instabilidade social causadas pelo crime impõe prisão preventiva, fixa TJAM

O fato do agente do crime ostentar maus antecedentes, reincidência, atos infracionais pretéritos, inquéritos ou mesmo ações penais em...

TJAM: Período pandêmico revelador de maior violência doméstica importa uso das medidas protetivas

O macro cenário de indefensibilidade da mulher nas relações domésticas atualmente vem se agravando em razão da pandemia da...