Suspensões de liminares por ordem da Presidência do TJAM visam resguardar o interesse público

Suspensões de liminares por ordem da Presidência do TJAM visam resguardar o interesse público

Nos autos de agravo regimental proposto por Kairos Construtora Ltda contra o Estado do Amazonas nos volumes do processo nº 0001281-71.2021, o Presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Amazonas delineou os fundamentos de suas decisões que acolhem pedido de suspensão de liminares realizadas pelo Estado. Chalub explica que “o pedido de suspensão de liminar não objetiva a reforma ou a anulação da decisão impugnada, não sendo, assim, instrumento idôneo para reapreciação judicial”. Para o Presidente do TJAM, importa que o pedido de suspensão de liminar atenda ao interesse público, porque a suspensão é concedida quando eficácia da decisão judicial contrariar a esse interesse, demonstrado, desde então, que “o cumprimento imediato da decisão importará grave lesão à ordem, à saúde, à segurança ou à economia públicas”.

A decisão veio como resposta à agravo interno em matéria processual civil na qual houve suspensão de liminar ou tutela provisória, com suspensão concedida por se reconhecer que a eficácia da liminar poderia resultar em grave lesão à ordem e à saúde pública, associado aos requisitos que autorizam a suspensão das liminares deferidas judicialmente, relatou em síntese o acórdão da Presidência. 

Domingos Jorge Chalub relata que “é ponto facultativo na doutrina e também na jurisprudência, inclusive na lei, que, na defesa da ordem pública transgredida, a condicionante de que o Estado do Amazonas deveria estar no polo passivo da ação originária não se faz necessária ao reparo dos interesses coletivos atingidos, de modo que não merece acolhimento a tese de ilegitimidade ativa”.

Arrematou o Acórdão que traz a relatoria da Presidência do Tribunal de Justiça do Amazonas que “a decisão gravada não se afastou do que estabelece a lei, bem como da linha de precedentes da jurisprudência firmadas pelos tribunais superiores, no sentido de suspender decisões que coloquem em risco o interesse público e para evitar grave lesão à ordem e à economia publicas, in casu, a determinação de depósito judicial de vultosa quantia, em prazo exíguo e ainda pendente de decisão final sobre o efetivo valor da dívida”.

Leia o acórdão

Loader Loading...
EAD Logo Taking too long?

Reload Reload document
| Open Open in new tab

Baixar arquivo [180.37 KB]

Leia mais

Habeas Corpus de ofício em 2ª. instância ocorre somente em caso de patente ilegalidade, julga TJAM

O Defensor Público Fernando Figueiredo Serejo Mestrinho recorreu de decisão monocrática do Desembargador José Hamilton Saraiva dos Santos que indeferiu, liminarmente, pedido de concessão...

Renúncia de advogado implica que parte cumpra dever de constituição de novo causídico, diz TJAM

Nos autos do processo 0004715-68.2021.8.04.0000, o Desembargador Paulo César Caminha e Lima negou provimento a agravo regimental no qual J. L. Chaar Simão-Amazon Print...

Mais Lidas

Justiça do Amazonas garante o direito de mulher permanecer com o nome de casada após divórcio

O desembargador Flávio Humberto Pascarelli, da 3ª Câmara Cível...

Professora de Manaus ganha direito a indenização por contrato temporário que excede prazo de 2 anos

Nos autos do processo nº 0665343-39.2019.8.04.0001 que tramitou na...

Gratificação de motorista de viatura Militar no Amazonas se aplica ao soldo, decide Tribunal

Nos autos do processo nº 0244691-47.2011, em julgamento de...

Últimas

Barroso suspende decisão que mandou Twitter apagar posts de jornalista

O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), suspendeu nesta terça-feira (26) decisão de um juiz de...

Pleno do TJAM realiza remoção de juízes para comarcas do interior

O Pleno do Tribunal de Justiça do Amazonas realizou na sessão desta terça-feira (26/10) a escolha de magistrados em...

Em Humaitá, servidor é condenado a quase 10 anos por estuprar subordinada em instituição pública

O Ministério Público do Amazonas obteve, no último dia 19/10, o afastamento do cargo de um servidor público condenado...

TRT-AM não reconhece relação de emprego em consultoria prestada após demissão

Um profissional contratado como consultor um dia após ser dispensado do cargo de gerente geral não conseguiu comprovar na...