Socorro Guedes diz que extravio de Bagagem por companhia aérea configura danos morais à passageiro

Socorro Guedes diz que extravio de Bagagem por companhia aérea configura danos morais à passageiro

Nos autos do processo nº 0620254-95.2016 a Segunda Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Amazonas lavrou o entendimento de que o extravio de bagagem aérea em viagem internacional pela empresa Tap Transportes Aéreos Portugueses deve ser convertido em danos morais à pessoa do passageiro Otávio Bertotti Marques dos Santos, que restou com as roupas do corpo em país estrangeiro. Foi afastada apenas a tese da incidência dos danos materiais porque o passageiro não conseguiu demonstrar a existência dos objetos mencionados na petição inicial, não sendo possível, no caso, a inversão do ônus da prova a favor do consumidor por não se poder impor, na causa, a produção de fato negativo. Foi relatora do julgamento a Desembargadora Maria do Perpétuo Socorro Guedes Moura, cujo voto foi seguido à unanimidade pelos demais Magistrados do Colegiado de Julgadores.

Para o Acórdão, o reconhecimento dos danos materiais esteve sujeito às normas do Código de Processo Civil, expresso no artigo 373 daquela lei, que determina que o ônus de provar incumbe autor na petição inicial quanto ao fato constitutivo do seu direito, não sendo aplicável a inversão do ônus da prova em fatos negativos.

Fatos negativos são aqueles impossíveis de serem provados, cuja produção exige esforço acima do comum. No caso, a empresa teria que demonstrar que na bagagem do passageiro não tinha todo o material por ele indicado, ou seja, provar o fato negativo.

“Em relação ao dano material, verifica-se que o Requerente/Apelado não logrou êxito em comprovar existência dos objetos mencionados na exordial quanto à bagagem extraviada e, ainda que o togado primevo tivesse invertido o ônus da prova, não haveria como impor às Requeridas a produção de fato negativo”.

Leia o acórdão

Loader Loading...
EAD Logo Taking too long?

Reload Reload document
| Open Open in new tab

Baixar arquivo [253.25 KB]

 

 

Leia mais

Cocaína é substância altamente nociva motivo porque agrava condenação em Manaus

Paulo dos Santos Guedes foi condenado nas penas do artigo 33 da Lei 11.343/2006 pelo juízo da Vara Única de Beruri, Munícipio do Amazonas,...

Embargos de Declaração em Acórdão não autoriza o reconhecimento de prescrição, diz TJAM

O Defensor Público Arlindo Gonçalves dos Santos Neto opôs embargos declaratórios contra Acórdão em julgamento de apelação criminal do Tribunal de Justiça do Amazonas,...

Mais Lidas

Justiça do Amazonas garante o direito de mulher permanecer com o nome de casada após divórcio

O desembargador Flávio Humberto Pascarelli, da 3ª Câmara Cível...

Professora de Manaus ganha direito a indenização por contrato temporário que excede prazo de 2 anos

Nos autos do processo nº 0665343-39.2019.8.04.0001 que tramitou na...

Gratificação de motorista de viatura Militar no Amazonas se aplica ao soldo, decide Tribunal

Nos autos do processo nº 0244691-47.2011, em julgamento de...

Últimas

Cocaína é substância altamente nociva motivo porque agrava condenação em Manaus

Paulo dos Santos Guedes foi condenado nas penas do artigo 33 da Lei 11.343/2006 pelo juízo da Vara Única...

Embargos de Declaração em Acórdão não autoriza o reconhecimento de prescrição, diz TJAM

O Defensor Público Arlindo Gonçalves dos Santos Neto opôs embargos declaratórios contra Acórdão em julgamento de apelação criminal do...

Barroso suspende decisão que mandou Twitter apagar posts de jornalista

O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), suspendeu nesta terça-feira (26) decisão de um juiz de...

Pleno do TJAM realiza remoção de juízes para comarcas do interior

O Pleno do Tribunal de Justiça do Amazonas realizou na sessão desta terça-feira (26/10) a escolha de magistrados em...