Socorro Guedes diz que dano moral não pressupõe a necessidade de comprovação do prejuízo material

Socorro Guedes diz que dano moral não pressupõe a necessidade de comprovação do prejuízo material

A Desembargadora Maria do Perpétuo Socorro Guedes Moura, ao relatar os autos do processo nº 0625815-66.2017 que trouxe a reexame decisão do juiz da 19ª. Vara Cível de Manaus por apelo do Banco Bmg S.A contra Rosilene Maria Ramos Pereira, esclareceu que o dano moral não pressupõe a necessidade de comprovação de prejuízos materiais. Ao ser condenada em primeira instância ao ressarcimento de danos morais à pessoa da consumidora, a instituição bancária não concordou em ter se reconhecido a incidência de ilícito civil pelo fato de que foram cobrados da autora/apelada, diretamente de seu contracheque valores não autorizados, vindo o banco a ser compelido à devolução em dobro dos valores indevidamente descontados. No recurso, reconheceu-se inovação não aceita pelo Banco apelante, que levantou a tese de ter havido uma cessão de crédito, não aceita pelos julgadores. O fato da autora ter sofrido abalo psicológico foi o bastante para o acolhimento do pedido de danos morais. 

Em síntese, o julgamento traduziu que em sede de recurso de apelação no qual se debate direito do consumidor face a contrato bancário em ação na qual o banco apelante fora revel, não haveria possibilidade jurídica de se reverter matéria de fato, já reconhecida ante os efeitos da revelia.

A tese de que ocorrera uma cessão de crédito, na qual houve a transferência de algum direito creditício pela autora ao banco não poderia prosperar, porque a mesma surgiu nos autos somente após a interposição do recurso, não podendo ser reconhecida nessa fase. 

“A conduta da instituição apelante ao responsabilizar a apelada pela contratação de empréstimo cuja existência não foi provada, retirando do seu contracheque valores não autorizados, indubitavelmente configura um ilícito civil, de sorte que a repetição do indébito deve dar-se em dobro. O dano moral não pressupõe a necessidade de comprovação de prejuízo material”.

Leia o acórdão 

Leia mais

No Amazonas, beijos na boca de criança sugerem estupro de vulnerável e não importunação sexual

Pedro Silva de Braga foi denunciado pelo Ministério Público de São Gabriel da Cachoeira pela prática do crime de estupro de vulnerável porque praticou...

Surdez unilateral não concede vaga em concurso a pessoa com deficiência no Amazonas

O portador de surdez unilateral não se qualifica como pessoa com deficiência para o fim de disputar as vagas reservadas em concursos públicos assim...

Mais Lidas

Justiça do Amazonas garante o direito de mulher permanecer com o nome de casada após divórcio

O desembargador Flávio Humberto Pascarelli, da 3ª Câmara Cível...

Professora de Manaus ganha direito a indenização por contrato temporário que excede prazo de 2 anos

Nos autos do processo nº 0665343-39.2019.8.04.0001 que tramitou na...

Gratificação de motorista de viatura Militar no Amazonas se aplica ao soldo, decide Tribunal

Nos autos do processo nº 0244691-47.2011, em julgamento de...

Últimas

Em Santa Catarina, homem é condenado por desacato ao ofender enfermeira através das redes sociais

O Tribunal de Justiça de Santa Catarina condenou um homem a seis meses de detenção, em regime semiaberto, por...

Dano moral a mulher que, barrada na alfândega por Covid, teve mala extraviada em Roma

Uma mulher que teve sua bagagem extraviada após não conseguir entrar na Itália, em face das restrições impostas pela...

Conselheiro do TCE-AM vai ministrar palestra em curso promovido pelo TJAM

O conselheiro-ouvidor do Tribunal de Contas do Amazonas (TCE-AM), Érico Desterro, participará do ciclo de palestras promovido pela Escola...

No Amazonas, beijos na boca de criança sugerem estupro de vulnerável e não importunação sexual

Pedro Silva de Braga foi denunciado pelo Ministério Público de São Gabriel da Cachoeira pela prática do crime de...