Queixa-Crime deve narrar delitos de forma legítima para que não seja rejeitada no Amazonas

Queixa-Crime deve narrar delitos de forma legítima para que não seja rejeitada no Amazonas

Um dos requisitos da ação penal é a legitimidade de quem a propõe e, assim, para se pedir a instauração pelo Judiciário de uma providência quanto ao fato crime e sua autoria, importa que o subscritor do pedido ajuizado seja autorizado a fazê-lo por meio do processo, razão pela qual essa falta de requisito, ao ser identificada nos autos 0001584-31.2020.8.04.3101, resultou na extinção do processo sem que tenha sido apreciado o mérito da causa. Cuidou-se de queixa-crime ofertada por Michael Lemes Monteiro pelos crimes de prevaricação e auso de autoridade, que somente podem ser admitidos se houver denúncia do Ministério Público. Houve apelo, com manutenção da decisão pela Segunda Câmara Criminal. 

Em processo penal que deva ser instaurado mediante ação penal pública, rejeita-se a queixa-crime que tenha a pretensão de averiguar prevaricação e abuso de autoridade, que são crimes de ação penal pública incondicionada, merecendo o arquivamento dos autos face a ausência do requisito de legitimidade do Querelante, firmou a decisão. 

A peça acusatória narrou, ainda, em concurso material de crimes, os delitos de injúria e difamação, sem ofertar o mínimo lastro probatório, pois o interessado deixou de cumprir os requisitos formais descritos no artigo 41 do código de processo penal, não firmando sobre as circunstâncias do fato e tampouco apresentando provas. 

“Ademais, verifica-se a ausência de justa causa para a instauração da persecução penal, diante da inexistência de elementos mínimo de convicção, tendo em vista que o querelante instruiu a peça acusatória apenas com um boletim de ocorrência, sem qualquer outro elemento probatório”.

Leia o acórdão

Leia mais

Réus condenados em Operação Espinhel em Manaus têm penas redimensionadas em recurso

Denys Farias Campos e Leidiane Coelho Maciel que foram condenados pela juíza da 2ª. Vara Especializada em Crimes de Uso e Tráfico de Substâncias...

Tráfico de drogas apurado por telefone dispensa apreensão do material entorpecente, diz TJ/Amazonas

Basta que um dos 18 núcleos verbais descritos no artigo 33, caput, da Lei 11.343/2006 se evidencie com a prática do ilícito de tráfico...

Mais Lidas

Justiça do Amazonas garante o direito de mulher permanecer com o nome de casada após divórcio

O desembargador Flávio Humberto Pascarelli, da 3ª Câmara Cível...

Diagnóstico unilateral sobre medição de contadores pela Amazonas Energia é vexatório a consumidor

A concessionária de energia elétrica Amazonas Energia não pode...

Homem que ofereceu carona e estuprou adolescente a caminho da escola em Barreirinha-Am é condenado

Nos autos do processo nº0000395-28.2018.8.04.2700, Josinaldo Souza Teixeira recorreu...

Últimas

Fotógrafo que abusava de mulheres durante ensaios é condenado em Florianópolis

O juízo da 4ª Vara Criminal da Comarca da Capital sentenciou um fotógrafo que praticava atos libidinosos contra mulheres...

TCE-AM julgará contas de Arthur Virgílio e Wilson Lima na próxima semana

O Pleno do Tribunal de Contas do Amazonas (TCE-AM) julgará as contas do ex-prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto,...

Aeronautas aceitam proposta do TST e suspendem greve anunciada para esta segunda-feira (29)

O Sindicato Nacional dos Aeroviários aceitou, neste sábado (27), a proposta apresentada pelo ministro Agra Belmonte, do Tribunal Superior...

Réus condenados em Operação Espinhel em Manaus têm penas redimensionadas em recurso

Denys Farias Campos e Leidiane Coelho Maciel que foram condenados pela juíza da 2ª. Vara Especializada em Crimes de...