Pascarelli determina cassação de sentença por falha na citação do devido processo legal

Pascarelli determina cassação de sentença por falha na citação do devido processo legal

O Tribunal de Justiça do Amazonas se posicionou nos autos n° 0608599-24.2019, com a relatoria do Desembargador Flávio Humberto Pascarelli em que Carlos Eduardo de Souza Braga apelou contra decisão do Juízo da 15ª. Vara Cível e de Acidentes de Trabalho no sentido de que o devido processo legal é o princípio fundamental do processo civil, exigindo-se a obediência aos parâmetros e regras legais porque deles decorrem todas as consequências inerentes aos sujeitos que participam dos atos que se obrigam em face da disputa que deve ser decidida pelo magistrado, com obediência a institutos de natureza cogente (cumprimento obrigatório) e que se não efetivados comprometem a validez da relação jurídica a ser perseguida no processo.

Em apelação cível, apreciou-se matéria processual cível em que há pedido de nulidade de citação (matéria de ordem pública). Dessa forma, o julgamento imediato do mérito fica comprometido, face sua impossibilidade dado ao arranhamento do devido processo legal, com a cassação da sentença, impondo-se a devolução ao órgão judiciário de origem, para que regularize o tramite do procedimento, sintetizou o relator. 

“Nos Estados Democráticos de Direito, a esfera jurídica dos cidadãos somente podem ser invadidas se lhes for dada a efetiva oportunidade de influir nas decisões que lhes são prejudiciais. Nos processos judiciais, tal oportunidade é assegurada pelo devido processo legal que compreende não só a regularidade formal dos processos como o direito a obter decisão dotada de fundamentação substancial”.

A citação é o ato de chamamento do réu ao processo, e o próprio código de processo prevê a incidência de nulidade face ao seu não cumprimento, em harmonia com o devido processo legal, a ampla defesa com os meios e recursos a ela inerentes.

“Ao declarar o vício na citação, não pode o Tribunal julgar imediatamente o mérito sob pena de supressão de instância, já que, tal hipótese não se encontra contemplada no texto do artigo 1.013 do Código de Processo Civil, por isso se impõe a cassação da decisão recorrida com a remessa do processo ao juízo de origem”.

Leia o acórdão:

Loader Loading...
EAD Logo Taking too long?

Reload Reload document
| Open Open in new tab

Baixar arquivo [103.62 KB]

Leia mais

No Amazonas, beijos na boca de criança sugerem estupro de vulnerável e não importunação sexual

Pedro Silva de Braga foi denunciado pelo Ministério Público de São Gabriel da Cachoeira pela prática do crime de estupro de vulnerável porque praticou...

Surdez unilateral não concede vaga em concurso a pessoa com deficiência no Amazonas

O portador de surdez unilateral não se qualifica como pessoa com deficiência para o fim de disputar as vagas reservadas em concursos públicos assim...

Mais Lidas

Justiça do Amazonas garante o direito de mulher permanecer com o nome de casada após divórcio

O desembargador Flávio Humberto Pascarelli, da 3ª Câmara Cível...

Professora de Manaus ganha direito a indenização por contrato temporário que excede prazo de 2 anos

Nos autos do processo nº 0665343-39.2019.8.04.0001 que tramitou na...

Gratificação de motorista de viatura Militar no Amazonas se aplica ao soldo, decide Tribunal

Nos autos do processo nº 0244691-47.2011, em julgamento de...

Últimas

Em Santa Catarina, homem é condenado por desacato ao ofender enfermeira através das redes sociais

O Tribunal de Justiça de Santa Catarina condenou um homem a seis meses de detenção, em regime semiaberto, por...

Dano moral a mulher que, barrada na alfândega por Covid, teve mala extraviada em Roma

Uma mulher que teve sua bagagem extraviada após não conseguir entrar na Itália, em face das restrições impostas pela...

Conselheiro do TCE-AM vai ministrar palestra em curso promovido pelo TJAM

O conselheiro-ouvidor do Tribunal de Contas do Amazonas (TCE-AM), Érico Desterro, participará do ciclo de palestras promovido pela Escola...

No Amazonas, beijos na boca de criança sugerem estupro de vulnerável e não importunação sexual

Pedro Silva de Braga foi denunciado pelo Ministério Público de São Gabriel da Cachoeira pela prática do crime de...