Não cumprida a ordem de afastamento do lar, sentença condenatória é aplicada em Manaus

Não cumprida a ordem de afastamento do lar, sentença condenatória é aplicada em Manaus

O descumprimento de ordem de medidas protetivas de urgência em face da violência doméstica é crime e a recalcitrância do acusado em insistir no não cumprimento de afastar-se da residência da vítima não é tolerado pelo Juízo da Vara Especializada em Crimes de Violência Doméstica. Assim, o 1º Juizado Especializada da Vara Maria da Penha lançou sentença penal condenatória em desfavor de J. dos S. C, que inconformado, apelou à Corte de Justiça do Estado do Amazonas por meio da Defensoria Pública Estadual. Ao relator os autos de nº 0622817-86.2021.8.04.0001, o Desembargador Jorge Manoel Lopes Lins enfatizou que mesmo com as medidas protetivas em vigor, o acusado foi a residência da vítima gritando e assustando seus filhos, querendo adentrar no imóvel. Foi negado provimento a apelação. 

Em apelação de sentença condenatória por crime de descumprimento de medidas protetivas de urgência, não resta acertado acolher pedido de absolvição, mormente quando há provas de autoria e materialidade do crime praticado, relevando-se a palavra da vítima e outros elementos de prova. 

J. dos S. C., foi denunciado pelo Ministério Público pela prática do crime descrito no artigo 24-A. da Lei 11.340/2006, combinado com o artigo 147, artigo 61, II, letra f, do Código Penal Brasileiro. Segundo o Acórdão, apesar de aplicada medidas protetiva de urgência, as mesmas não foram cumpridas, o que restou suficientemente demonstrado nos autos. 

“No caso, restou demonstrado que o acusado, mesmo ciente das medidas protetivas existentes em seu desfavor, foi até a residência da vítima gritando e assustando seus filhos, querendo adentrar no imóvel, descumprindo, assim a determinação de proibição de se aproximar da vítima e de seus familiares”. Desta forma o recurso do apelante, apesar de conhecido, não foi acolhido.

Leia o acórdão

Leia mais

No Amazonas, beijos na boca de criança sugerem estupro de vulnerável e não importunação sexual

Pedro Silva de Braga foi denunciado pelo Ministério Público de São Gabriel da Cachoeira pela prática do crime de estupro de vulnerável porque praticou...

Surdez unilateral não concede vaga em concurso a pessoa com deficiência no Amazonas

O portador de surdez unilateral não se qualifica como pessoa com deficiência para o fim de disputar as vagas reservadas em concursos públicos assim...

Mais Lidas

Justiça do Amazonas garante o direito de mulher permanecer com o nome de casada após divórcio

O desembargador Flávio Humberto Pascarelli, da 3ª Câmara Cível...

Professora de Manaus ganha direito a indenização por contrato temporário que excede prazo de 2 anos

Nos autos do processo nº 0665343-39.2019.8.04.0001 que tramitou na...

Gratificação de motorista de viatura Militar no Amazonas se aplica ao soldo, decide Tribunal

Nos autos do processo nº 0244691-47.2011, em julgamento de...

Últimas

Em Santa Catarina, homem é condenado por desacato ao ofender enfermeira através das redes sociais

O Tribunal de Justiça de Santa Catarina condenou um homem a seis meses de detenção, em regime semiaberto, por...

Dano moral a mulher que, barrada na alfândega por Covid, teve mala extraviada em Roma

Uma mulher que teve sua bagagem extraviada após não conseguir entrar na Itália, em face das restrições impostas pela...

Conselheiro do TCE-AM vai ministrar palestra em curso promovido pelo TJAM

O conselheiro-ouvidor do Tribunal de Contas do Amazonas (TCE-AM), Érico Desterro, participará do ciclo de palestras promovido pela Escola...

No Amazonas, beijos na boca de criança sugerem estupro de vulnerável e não importunação sexual

Pedro Silva de Braga foi denunciado pelo Ministério Público de São Gabriel da Cachoeira pela prática do crime de...