Não cabe tráfico privilegiado a mulher que transportava drogas de Rondônia para Humaitá, julga TJAM

Não cabe tráfico privilegiado a mulher que transportava drogas de Rondônia para Humaitá, julga TJAM

 A Primeira Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Amazonas embora tenha conhecido do Recurso de Apelação movido por Eliene Pereira da Costa não acolheu os fundamentos do mérito da matéria levada a apreciação dos Desembargadores após condenação em primeira instância, na Comarca de Humaitá pelo crime de tráfico de drogas descrito no artigo 33 da Lei 11.343/2006, face a comprovada autoria e materialidade descritas nos autos do processo nº 0001636-75.2018.8.04.4401, em conteúdo de recurso que combateu a sentença condenatória que afastou o benefício de causa especial de diminuição da pena prevista na retro indicada lei, especialmente o § 4º do Artigo 33, onde se prevê a figura do ‘tráfico privilegiado’.

O tráfico privilegiado nada mais é do que uma causa especial de diminuição de pena definida na lei especial que proíbe a comercialização de substâncias entorpecentes, impondo que a pena aplicada seja reduzida de um sexto a dois terços, o que se constituiu na causa de pedir do recurso que pretendeu a reforma da condenação.

No entanto, o Desembargador José Hamilton Saraiva dos Santos, ao apreciar o recurso, destacou que muito embora a apelante houvesse entender que lhe assistiria o direito a aplicação da causa de diminuição de pena, bem como a substituição, ao depois, da pena de reclusão por medidas restritivas de direito não eram compatíveis com a hipótese concreta. 

No fato concreto, segundo consta no acórdão, ficou demonstrado que a Recorrente fora presa em flagrante, porque guardava e comercializava drogas em um hotel na cidade de Humaitá/AM, que eram trazidas por ela própria da cidade de Costa Marques/RO, o que foi admitido pela própria Ré em seu depoimento em Juízo. A conduta, somada à quantidade de drogas fizeram o Tribunal entender que fora indicadora de dedicação a atividade criminosa, fazendo incidir circunstância que, prevista no § 4º, do artigo 33 da Lei de Drogas, era desabonadora ao reconhecimento do tráfico privilegiado, embora primária, de bons antecedentes e tampouco integrasse organização criminosa.

Os requisitos para a concessão do tráfico privilegiado devam ser cumulativos.

Leia o acórdão 

 

Leia mais

Direito à informações é prerrogativa da Defensoria Pública do Amazonas

Ter acesso às informações que são requisitadas dos órgãos públicos é prerrogativa constitucional da Defensoria Pública do Amazonas, mormente porque a Instituição atua na...

Para TJAM, havendo grave comprometimento da ordem pública não há espaço para a liberdade

Célio Domingos da Silva teve pedido de habeas corpus negado pela Desembargadora Carla Maria Santos dos Reis nos autos do processo nº 4004745-35.2021.8.04.0000, mantendo-se...

Mais Lidas

Justiça do Amazonas garante o direito de mulher permanecer com o nome de casada após divórcio

O desembargador Flávio Humberto Pascarelli, da 3ª Câmara Cível...

Diagnóstico unilateral sobre medição de contadores pela Amazonas Energia é vexatório a consumidor

A concessionária de energia elétrica Amazonas Energia não pode...

Homem que ofereceu carona e estuprou adolescente a caminho da escola em Barreirinha-Am é condenado

Nos autos do processo nº0000395-28.2018.8.04.2700, Josinaldo Souza Teixeira recorreu...

Últimas

Pai, madrasta e avó são condenados pelo Conselho de Sentença no TJRO

Terminou em condenação para os três acusados de matar por espancamento e tortura a menina Lauanny Hester Rodrigues, na...

Juiz não está impedido de atuar em processo que tem parte instituição que exerce magistério

A 5ª Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) julgou prejudicado o incidente de impedimento de um...

TRF1: É constitucional a fixação de taxa para expedição de ART pelo conselho profissional

A 7ª Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) decidiu pela legitimidade da fixação de valor da...

STJ mantém prisão de PM acusado pela morte de criança de cinco anos durante patrulhamento no RJ

O ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Ribeiro Dantas, em decisão monocrática, manteve a prisão do policial militar...