Juíza nega liberdade a suspeitos de homicídio entre organizações criminosas em Itacoatiara-Am

Juíza nega liberdade a suspeitos de homicídio entre organizações criminosas em Itacoatiara-Am

O possível envolvimento de suspeitos de integrarem organização criminosa e de terem provocado duplo homicídio qualificado potencialmente decorrente de conflito entre grupos criminosos instalados em Itacoatiara-Am, levou a juíza de direito Maria da Graça Giulietta Cardoso de Carvalho Sterling negar pedido da Defensoria Pública junto àquele Município que pretendeu o relaxamento da prisão em flagrante dos custodiados Tharlisson Felipe Sa Menezes, Daniel Asaf de Moraes Martins, Dioney Asaf de Moraes Martins, Dioney Arlesson Gama Menezes e Marconi Gonzaga da Silva, nos autos do processo nº 0001608-49.2019.8.04.4700. A Defensoria argumentou excesso de prazo na formação da culpa.

Os custodiados foram presos preventivamente pela prática dos crimes definidos nos artigos 121,§ 2º,I, II e IV, art. 288, parágrafo único e art. 155, § 4º,IV, todos do Código Penal. A cidade de Itacoatiara vive em polvorosa face à instalação de organizações criminosas no município, e, no caso dos acusados, Daniel foi o responsável por disparos de arma de fogo contra as vítimas, enquanto o réu Dioney auxiliou o acusado Marconi em sua fuga após o crime, assim como o levou até Tharlisson momentos antes do delito, conforme consta na decisão. 

A sentença judicial firma que os acusados foram presos preventivamente por suposto envolvimento no cometimento de delito de extrema gravidade, com premeditação, uso de arma de fogo, duas vítimas, nos quais os acusados Marconi e Daniel realizaram disparos a queima roupa, ocasionando a morte dos ofendidos. 

Ante a gravidade concreta do crime, a magistrada concluiu que fatos dessa natureza, associado à periculosidade dos agentes, não autorizam o relaxamento da prisão ou a revogação da preventiva, diante da gravidade concreta do delito, e, além disso, os fundamentos autorizadores do decreto de prisão cautelar firmados em decisões anteriores não sofreram alteração. 

Leia a decisão 

Leia mais

Direito à informações é prerrogativa da Defensoria Pública do Amazonas

Ter acesso às informações que são requisitadas dos órgãos públicos é prerrogativa constitucional da Defensoria Pública do Amazonas, mormente porque a Instituição atua na...

Para TJAM, havendo grave comprometimento da ordem pública não há espaço para a liberdade

Célio Domingos da Silva teve pedido de habeas corpus negado pela Desembargadora Carla Maria Santos dos Reis nos autos do processo nº 4004745-35.2021.8.04.0000, mantendo-se...

Mais Lidas

Justiça do Amazonas garante o direito de mulher permanecer com o nome de casada após divórcio

O desembargador Flávio Humberto Pascarelli, da 3ª Câmara Cível...

Diagnóstico unilateral sobre medição de contadores pela Amazonas Energia é vexatório a consumidor

A concessionária de energia elétrica Amazonas Energia não pode...

Homem que ofereceu carona e estuprou adolescente a caminho da escola em Barreirinha-Am é condenado

Nos autos do processo nº0000395-28.2018.8.04.2700, Josinaldo Souza Teixeira recorreu...

Últimas

Pai, madrasta e avó são condenados pelo Conselho de Sentença no TJRO

Terminou em condenação para os três acusados de matar por espancamento e tortura a menina Lauanny Hester Rodrigues, na...

Juiz não está impedido de atuar em processo que tem parte instituição que exerce magistério

A 5ª Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) julgou prejudicado o incidente de impedimento de um...

TRF1: É constitucional a fixação de taxa para expedição de ART pelo conselho profissional

A 7ª Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) decidiu pela legitimidade da fixação de valor da...

STJ mantém prisão de PM acusado pela morte de criança de cinco anos durante patrulhamento no RJ

O ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Ribeiro Dantas, em decisão monocrática, manteve a prisão do policial militar...