Em Manaus, seguro reclama prova inequívoca de que beneficiário o tenha contratado

Em Manaus, seguro reclama prova inequívoca de que beneficiário o tenha contratado

Se as condições do negócio de seguro levado a efeito pela instituição bancária  ofenderam a contratante/consumidora resultando em descontos indevidos na conta corrente, configurando-se que o cliente não teve prévia ciência da contratação do serviço indicado ante a falta de transparência do Réu/Segurador no momento da oferta, importa reconhecer que a conduta insere-se entre as que ensejam reparação, pois houve um dano, assim concluiu o magistrado da 5ª. Vara Cível, em ação de inexigibilidade de seguro cumulada com reparação de danos morais movida por E.G.M contra o Banco Bradesco S.A, nos autos do processo nº 0672545-33.2020.8.04.0001.

A sentença concluiu que nessa modalidade de contrato é fundamental que o banco/segurador tem o dever de prestar todos os esclarecimentos sobre o objeto contratado pelo consumidor, em respeito ao princípio da boa-fé objetiva inerentes a contratos dessa natureza. 

No processo, foi concedido à autora o direito descrito na lei regente quanto à inversão do ônus da prova, logo, ao Banco réu caberia desconstituir as alegações da requerente, conforme previsto no código de processo civil, não sendo prova a mera alegação de que a cliente tinha conhecimento de toda a operação contratada, sem nada demonstrar. 

“Assim, diante da ausência de provas da contratação dos serviços do banco réu ou donde advindo tal débito, e a evidente má-fé ao descontar os valores na conta da requerente, é possível constatar o nexo causal entre a conduta negligente do requerido e os prejuízos sofridos pela autora”, firmou a decisão, arrematando que não se possa permitir uma indústria de descumprimento de contrato pelas empesas de terminados setores econômico-financeiros.

Leia a sentença

Leia mais

Liminar suspende execução de Medição Centralizada da Amazonas Energia

A circunstância de que seja concessionária de serviço público, especialmente na prestação de produto essencial de energia elétrica  da Amazonas Energia, e, na conclusão...

A concessão de Habeas Corpus de ofício pelo TJ/Amazonas exige flagrante ilegalidade na prisão

A concessão de Habeas Corpus de ofício pelo Tribunal exige que seja constatada a flagrante ilegalidade na constrição cautelar daquele que foi privado de...

Mais Lidas

Justiça do Amazonas garante o direito de mulher permanecer com o nome de casada após divórcio

O desembargador Flávio Humberto Pascarelli, da 3ª Câmara Cível...

TJAM: União Estável proporciona direito a pensão por morte do companheiro sobrevivente

Em matéria de direito previdenciário nos autos do processo...

Diagnóstico unilateral sobre medição de contadores pela Amazonas Energia é vexatório a consumidor

A concessionária de energia elétrica Amazonas Energia não pode...

Últimas

TRF1 diz que cabe ao Poder Público o fornecimento de insumos para terapia com óleo de Cannabis

Óleo derivado da Cannabis deve ser fornecido pelo Poder Público em terapia de uma paciente acometida de doença neurodegenerativa...

Bolsonaro deve se defender em 2 dias da acusação de ter feito campanha antecipada

Na última segunda-feira (17/1), o ministro Alexandre de Moraes, na condição de membro do Tribunal Superior Eleitoral, determinou a citação do...

Em Goiás, mulher que encontrou corpo estranho em molho de tomate será indenizada

Goiás  - O juiz Carlos Gustavo Fernandes de Morais, do Juizado Especial Cível da comarca de Luziânia-GO, condenou a...

Vítima de acidente de trânsito no DF deverá ser indenizada por danos materiais e morais

Distrito FederalJuiz do 1º Juizado Especial Cível de Taguatinga condenou a proprietária e o condutor de um veículo e...