Em Manaus, pedestre que sofreu acidente provocado por ônibus será indenizado em R$ 10 mil

Em Manaus, pedestre que sofreu acidente provocado por ônibus será indenizado em R$ 10 mil

Vítima com lesões corporais decorrente de acidente de trânsito provocado por ônibus faz surgir responsabilidade da concessionária do serviço público de transporte coletivo para que assuma os prejuízos que seus agentes causarem em terceiros, inserindo não somente os usuários do transporte coletivo, mas também terceiros não usuários que tenham sido vitimados. A decisão corresponde ao julgamento do recurso de apelação ajuizado por Viação Cidade de Manaus Ltda contra Agnus Jansen de Miranda Rodrigues que também apelou da decisão do juiz da 18ª. Vara Cível e de Acidentes de Trabalho de Manaus. O Desembargador Paulo César Caminha e Lima, relator dos autos do processo nº 0356553-62.2007.8.04.0001, reconheceu os danos morais e materiais reclamados nesta circunstâncias pelo Autor/Apelante. Deixando de acolher o apelo da empresa de viação, mantendo a condenação arbitrada pelo juízo primevo de R$ 10 mil reais, a título de danos morais.

Em acidente de trânsito com vítimas lesionados por transporte coletivo, ainda que a pessoa não seja usuária do serviço, há responsabilidade objetiva da empresa concessionária, até porque não há causa que exclua a ilicitude, cabendo indenização por danos materiais e morais decorrente do sinistro.

A concessionária de serviço público responde pelos danos que seus agentes, nessa qualidade, causarem a terceiros, assegurado o direito de regresso contra o responsável nos casos de dolo ou culpa, em nítida configuração da responsabilidade civil objetiva que abrange a causa em exame.

Tanto os usuários do serviço quanto terceiros não usuários que venham a sofrer danos pela conduta dos agentes concessionários tem direito à reparação, doravante quando o réu não demonstre a existência de causas que excluam a responsabilidade civil, como caso fortuito força maior ou culpa exclusiva da vítima.

Leia o acórdão 

 

 

Leia mais

No Amazonas, beijos na boca de criança sugerem estupro de vulnerável e não importunação sexual

Pedro Silva de Braga foi denunciado pelo Ministério Público de São Gabriel da Cachoeira pela prática do crime de estupro de vulnerável porque praticou...

Surdez unilateral não concede vaga em concurso a pessoa com deficiência no Amazonas

O portador de surdez unilateral não se qualifica como pessoa com deficiência para o fim de disputar as vagas reservadas em concursos públicos assim...

Mais Lidas

Justiça do Amazonas garante o direito de mulher permanecer com o nome de casada após divórcio

O desembargador Flávio Humberto Pascarelli, da 3ª Câmara Cível...

Professora de Manaus ganha direito a indenização por contrato temporário que excede prazo de 2 anos

Nos autos do processo nº 0665343-39.2019.8.04.0001 que tramitou na...

Gratificação de motorista de viatura Militar no Amazonas se aplica ao soldo, decide Tribunal

Nos autos do processo nº 0244691-47.2011, em julgamento de...

Últimas

Em Santa Catarina, homem é condenado por desacato ao ofender enfermeira através das redes sociais

O Tribunal de Justiça de Santa Catarina condenou um homem a seis meses de detenção, em regime semiaberto, por...

Dano moral a mulher que, barrada na alfândega por Covid, teve mala extraviada em Roma

Uma mulher que teve sua bagagem extraviada após não conseguir entrar na Itália, em face das restrições impostas pela...

Conselheiro do TCE-AM vai ministrar palestra em curso promovido pelo TJAM

O conselheiro-ouvidor do Tribunal de Contas do Amazonas (TCE-AM), Érico Desterro, participará do ciclo de palestras promovido pela Escola...

No Amazonas, beijos na boca de criança sugerem estupro de vulnerável e não importunação sexual

Pedro Silva de Braga foi denunciado pelo Ministério Público de São Gabriel da Cachoeira pela prática do crime de...