Direito a danos morais é negado a consumidor que não comprovou conduta de má-fé da Amazonas Energia

Direito a danos morais é negado a consumidor que não comprovou conduta de má-fé da Amazonas Energia

O consumidor Francisco de Assis Batista apelou da decisão do juízo da 5ª. Vara Cível de Manaus porque não concordou com a sentença na qual não lhe foi reconhecida a configuração de danos morais em desfavor da Amazonas Distribuidora de Energia por cobranças efetuadas, segundo o apelante, por faturas que já haviam sido regularizadas. Para o apelante, o magistrado deveria ter acolhido a razão jurídica descrita no Código Civil que proíbe demandas do devedor antes de vencida a dívida ou por dívida já paga ou pedir mais do que o devido porque fora realizado um acordo extrajudicial com a empresa. Então, levantou a tese de que houve má-fé nas cobranças efetuadas pela concessionária de energia. A tese da má-fé foi rejeitada na apelação porque, para o Colegiado de Desembargadores a má-fé deve ser provada, e sendo o apelante o autor da alegação, este teria que demonstrar a configuração da má-fé, o que efetivamente não ocorreu, prevalecendo o princípio da boa fé, na ação de cobrança, que é presumido. O recurso foi julgado nos autos do processo n° 0641639-36.2015, e foi relator Airton Luís Corrêa Gentil.

Na ação monitória ajuizada pela concessionária de energia elétrica visando o pagamento de faturas, o apelante ofertou seus embargos, pedindo a improcedência da cobrança alegando que a mesma fora efetuada de má-fé, pois houve regularização dos débitos representados pelas faturas de energia elétrica que serviram de base a ação.

Instaurado o procedimento, dentro do contraditório e a ampla defesa, houve alegação de que a má-fé estaria norteando a exigência dos pagamentos, mas, ao alegar, o ônus da alegação é de quem a realiza, devendo demonstrar que há justa causa na matéria erguida em oposição à pretensão do autor.

O acórdão relatou que em apelação cível com tese de cobrança de dívida paga, não se pode concluir pela alegação de má-fé sem a comprovação do alegado, pois, a má fé se prova, por quem a alega, e a boa-fé se presume.

“Para que haja a incidência do art. 940 do Código Civil, mister que se comprove a má-fé daquele que cobra, porquanto a má-fé deve ser provada enquanto a boa-fé se presume. Não se desincumbindo o apelante do ônus de provar o fato constitutivo do seu direito, impõe-se a improcedência de sua pretensão”.

Leia o acórdão

Loader Loading...
EAD Logo Taking too long?

Reload Reload document
| Open Open in new tab

Baixar arquivo [104.30 KB]

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Leia mais

No Amazonas, beijos na boca de criança sugerem estupro de vulnerável e não importunação sexual

Pedro Silva de Braga foi denunciado pelo Ministério Público de São Gabriel da Cachoeira pela prática do crime de estupro de vulnerável porque praticou...

Surdez unilateral não concede vaga em concurso a pessoa com deficiência no Amazonas

O portador de surdez unilateral não se qualifica como pessoa com deficiência para o fim de disputar as vagas reservadas em concursos públicos assim...

Mais Lidas

Justiça do Amazonas garante o direito de mulher permanecer com o nome de casada após divórcio

O desembargador Flávio Humberto Pascarelli, da 3ª Câmara Cível...

Professora de Manaus ganha direito a indenização por contrato temporário que excede prazo de 2 anos

Nos autos do processo nº 0665343-39.2019.8.04.0001 que tramitou na...

Gratificação de motorista de viatura Militar no Amazonas se aplica ao soldo, decide Tribunal

Nos autos do processo nº 0244691-47.2011, em julgamento de...

Últimas

Em Santa Catarina, homem é condenado por desacato ao ofender enfermeira através das redes sociais

O Tribunal de Justiça de Santa Catarina condenou um homem a seis meses de detenção, em regime semiaberto, por...

Dano moral a mulher que, barrada na alfândega por Covid, teve mala extraviada em Roma

Uma mulher que teve sua bagagem extraviada após não conseguir entrar na Itália, em face das restrições impostas pela...

Conselheiro do TCE-AM vai ministrar palestra em curso promovido pelo TJAM

O conselheiro-ouvidor do Tribunal de Contas do Amazonas (TCE-AM), Érico Desterro, participará do ciclo de palestras promovido pela Escola...

No Amazonas, beijos na boca de criança sugerem estupro de vulnerável e não importunação sexual

Pedro Silva de Braga foi denunciado pelo Ministério Público de São Gabriel da Cachoeira pela prática do crime de...