Desembargador do TJAM diz que prestar serviços ao juiz não prova amizade íntima

Desembargador do TJAM diz que prestar serviços ao juiz não prova amizade íntima

O pleno do Tribunal de Justiça do Estado do Amazonas decidiu afastar a instauração de procedimento contra a magistrada Simone Laurent, do TJAM, ao entendimento da não averbação de suspeição por motivo de foro íntimo em face de funcionamento em autos de sua presidência. A demanda ocorreu porque o advogado da parte já havia prestado serviços profissionais para a pessoa da magistrada. Para o interessado, A. A. dos S., a juíza teria prevaricado, além de cometer tráfico de influência. O Desembargador e relator Jorge Manoel Lopes Lins entendeu que não se constitui entre as causas de suspeição descritas no artigo 145 do Código de Processo Civil, que impõe a declaração da impossibilidade de funcionamento no processo, quando o juiz for amigo ou inimigo íntimo de qualquer das partes ou de seus advogados. Concluindo que não houve a incidência de elementos delitivos mínimos que permitissem a instauração de procedimento investigatório em desfavor da magistrada. 

No curso da investigação, quando houver indício da prática de crime por parte do magistrado, a autoridade policial – civil ou militar, remeterá os respectivos autos ao Tribunal ou órgão especial competente para o julgamento, a fim de prosseguir na investigação. No caso, a representação criminal foi encaminhada ao Pleno do Tribunal de Justiça.

O Acórdão invocou decisão do próprio Superior Tribunal de Justiça, que: “decidiu que a contratação de prestação de serviços advocatícios por magistrado não está entre as causas de suspeição do artigo 145 do Código de Processo Civil”.

“In casu, não existem elementos mínimos da prática das condutas delitivas imputadas à Magistrada, verificando-se, de outro modo, o intuito do Representante de constranger a atividade jurisdicional”. Os autos foram encaminhados ao arquivo, com o voto proferido pelo relator, e seguido à unanimidade pelo Colegiado de Desembargadores. 

Leia o acórdão

Leia mais

Direito à informações é prerrogativa da Defensoria Pública do Amazonas

Ter acesso às informações que são requisitadas dos órgãos públicos é prerrogativa constitucional da Defensoria Pública do Amazonas, mormente porque a Instituição atua na...

Para TJAM, havendo grave comprometimento da ordem pública não há espaço para a liberdade

Célio Domingos da Silva teve pedido de habeas corpus negado pela Desembargadora Carla Maria Santos dos Reis nos autos do processo nº 4004745-35.2021.8.04.0000, mantendo-se...

Mais Lidas

Justiça do Amazonas garante o direito de mulher permanecer com o nome de casada após divórcio

O desembargador Flávio Humberto Pascarelli, da 3ª Câmara Cível...

Diagnóstico unilateral sobre medição de contadores pela Amazonas Energia é vexatório a consumidor

A concessionária de energia elétrica Amazonas Energia não pode...

Homem que ofereceu carona e estuprou adolescente a caminho da escola em Barreirinha-Am é condenado

Nos autos do processo nº0000395-28.2018.8.04.2700, Josinaldo Souza Teixeira recorreu...

Últimas

Pai, madrasta e avó são condenados pelo Conselho de Sentença no TJRO

Terminou em condenação para os três acusados de matar por espancamento e tortura a menina Lauanny Hester Rodrigues, na...

Juiz não está impedido de atuar em processo que tem parte instituição que exerce magistério

A 5ª Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) julgou prejudicado o incidente de impedimento de um...

TRF1: É constitucional a fixação de taxa para expedição de ART pelo conselho profissional

A 7ª Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) decidiu pela legitimidade da fixação de valor da...

STJ mantém prisão de PM acusado pela morte de criança de cinco anos durante patrulhamento no RJ

O ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Ribeiro Dantas, em decisão monocrática, manteve a prisão do policial militar...