Claro S/A é condenada pelo TJAM a ressarcir empresa por falta de pagamento pelo serviços prestados

Claro S/A é condenada pelo TJAM a ressarcir empresa por falta de pagamento pelo serviços prestados

Nos autos de pedido de ressarcimento por ausência de pagamento devido em contrato de representação comercial entre a Nativos Digital Publicidade Ltda Me., e a Claro S/A., o Tribunal do Amazonas julgou improcedente o recurso de apelação da companhia telefônica por entender presente farto material probatório quanto a prestação de serviços realizados pela empresa/apelada sem a contraprestação pela empresa representada (Claro), concluindo-se ser devida a condenação para ressarcimento dos valores correspondentes aos serviços contratados e realizados entre as partes processuais enquanto celebrado o contrato de representação comercial.  O tema foi debatido nos autos do processo nº 0607109-06.2015, e foi relator o Desembargador Domingos Jorge Chalub Pereira. 

Contrato de Representação comercial é aquele no qual se estabelece uma relação com um representante, pessoa física ou jurídica que desempenha, sem relação de emprego e em caráter não eventual, a mediação para a realização de negócios mercantis, agenciando propostas ou pedidos, para que tais pedidos sejam transmitidos. 

Em direito civil e empresarial com contato de representação comercial por prestação de serviços devidamente comprovada, a ausência de pagamento implica em ressarcimento que são devidos. Com essa sinopse de acórdão, a Segunda Câmara Cível manteve a condenação da empresa Claro em primeira instância. 

“A relação jurídica de representação comercial enseja a prestação de serviços acordados entre as partes para promoção e comercialização de produtos. Assim, em tendo farta documentação a comprovar os serviços prestados, inclusive com fotografias, mas, no entanto, inexistindo a devida contraprestação pela empresa representada(pagamento) devida se mostra a condenação para ressarcimento”.

Leia o acórdão

Loader Loading...
EAD Logo Taking too long?

Reload Reload document
| Open Open in new tab

Baixar arquivo [103.42 KB]

Leia mais

Habeas Corpus de ofício em 2ª. instância ocorre somente em caso de patente ilegalidade, julga TJAM

O Defensor Público Fernando Figueiredo Serejo Mestrinho recorreu de decisão monocrática do Desembargador José Hamilton Saraiva dos Santos que indeferiu, liminarmente, pedido de concessão...

Renúncia de advogado implica que parte cumpra dever de constituição de novo causídico, diz TJAM

Nos autos do processo 0004715-68.2021.8.04.0000, o Desembargador Paulo César Caminha e Lima negou provimento a agravo regimental no qual J. L. Chaar Simão-Amazon Print...

Mais Lidas

Justiça do Amazonas garante o direito de mulher permanecer com o nome de casada após divórcio

O desembargador Flávio Humberto Pascarelli, da 3ª Câmara Cível...

Professora de Manaus ganha direito a indenização por contrato temporário que excede prazo de 2 anos

Nos autos do processo nº 0665343-39.2019.8.04.0001 que tramitou na...

Gratificação de motorista de viatura Militar no Amazonas se aplica ao soldo, decide Tribunal

Nos autos do processo nº 0244691-47.2011, em julgamento de...

Últimas

Habeas Corpus de ofício em 2ª. instância ocorre somente em caso de patente ilegalidade, julga TJAM

O Defensor Público Fernando Figueiredo Serejo Mestrinho recorreu de decisão monocrática do Desembargador José Hamilton Saraiva dos Santos que...

STJ: Estado paga perícia em ação acidentária improcedente

Sob o rito dos recursos especiais repetitivos (Tema 1.044), a Primeira Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ) fixou...

Acusado de espancar idoso em via pública é condenado a 37 anos de prisão pelo TJDFT

O Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios condenou Gabriel Ferreira de Souza Vidal a 37 anos e...

Representantes dos três Poderes, do MPF e da advocacia expõem pontos sobre juiz das garantias

No primeiro bloco da audiência pública para discutir a implementação da figura do juiz das garantias e outros pontos...