AmazonPrev pode ser acionada em ações previdenciárias sem o Estado do Amazonas

AmazonPrev pode ser acionada em ações previdenciárias sem o Estado do Amazonas

A Lei Complementar nº 30/2001 dispôs sobre o Regime Próprio de Previdência do Estado do Amazonas, estabelecendo seus planos de benefícios e custeio, seu órgão gestor e determinando outras providências, entre as quais a descrita no artigo 115 da referida lei que prevê que “o Estado do Amazonas intervirá sempre que o interesse público exigir nos processos judiciais em que o AmazonPrev for parte do polo passivo e que digam respeito a benefícios previdenciários”. No entanto, em matéria de incidente de inconstitucionalidade cível contida no processo 0001127-87.2020.8.04.0000, o dispositivo foi considerado inconstitucional, na ação em figuram como interessados o Ministério Público do Estado do Amazonas, a apelada Cleudinásia Andrade da Costa, a Procuradoria Geral do Estado e o apelante Fundo Previdenciário do Estado do Amazonas. Foi relator o Desembargador Wellington José de Araújo.

O reconhecimento da inconstitucionalidade do dispositivo não foi decorrente de uma ação específica, mas sobreveio em face de processo que discutiu litígio de natureza diversa, contudo, para resolvê-lo, houve a necessidade do Poder Judiciário do Estado do Amazonas, declarar a norma inválida para sentenciar a demanda que foi levado a conhecimento.

Para o Tribunal de Justiça do Amazonas o artigo 115 da Lei Complementar Estadual nº 30/2001 que determina que o Estado do Amazonas deverá figurar como litisconsorte e assistente em todos os processos judiciais em que o AMAZONPREV for parte do polo passivo, e que digam respeito a benefícios previdenciários é inconstitucional. 

Segundo o acórdão, “a relação jurídica existente entre o ente estatal e a autarquia não se enquadra na hipótese constante do Código de Processo Civil, pois a citação de ambos os devedores solidários não é condição de eficácia da sentença. Assim, há violação ao artigo 22, I, da Constituição Federal, que estabelece a competência privativa da União para legislar sobre direito processual. Arguição procedente e declarada a inconstitucionalidade forma do artigo 115 da Lei Complementar Estadual nº 30/2001”.

Leia o acórdão

Loader Loading...
EAD Logo Taking too long?

Reload Reload document
| Open Open in new tab

Baixar arquivo [254.48 KB]

 

Leia mais

Habeas Corpus de ofício em 2ª. instância ocorre somente em caso de patente ilegalidade, julga TJAM

O Defensor Público Fernando Figueiredo Serejo Mestrinho recorreu de decisão monocrática do Desembargador José Hamilton Saraiva dos Santos que indeferiu, liminarmente, pedido de concessão...

Renúncia de advogado implica que parte cumpra dever de constituição de novo causídico, diz TJAM

Nos autos do processo 0004715-68.2021.8.04.0000, o Desembargador Paulo César Caminha e Lima negou provimento a agravo regimental no qual J. L. Chaar Simão-Amazon Print...

Mais Lidas

Justiça do Amazonas garante o direito de mulher permanecer com o nome de casada após divórcio

O desembargador Flávio Humberto Pascarelli, da 3ª Câmara Cível...

Professora de Manaus ganha direito a indenização por contrato temporário que excede prazo de 2 anos

Nos autos do processo nº 0665343-39.2019.8.04.0001 que tramitou na...

Gratificação de motorista de viatura Militar no Amazonas se aplica ao soldo, decide Tribunal

Nos autos do processo nº 0244691-47.2011, em julgamento de...

Últimas

TRT-AM não reconhece relação de emprego em consultoria prestada após demissão

Um profissional contratado como consultor um dia após ser dispensado do cargo de gerente geral não conseguiu comprovar na...

TCE-AM abre inscrições para o 5º Simpósio Nacional de Ouvidorias

Estão abertas as inscrições para o 5º Simpósio Nacional de Ouvidorias, idealizado pela Ouvidoria do Tribunal de Contas do...

DPE-AM solicita que shoppings orientem lojistas sobre medidas para semana promocional de novembro

A Defensoria Pública do Estado do Amazonas (DPE-AM), por meio do Núcleo de Defesa do Consumidor (Nudecon), solicitou aos...

TRF4 condena homem por armazenar e compartilhar pornografia infantojuvenil

A 7ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) decidiu, por unanimidade, condenar um homem de 34...