Amazonas Energia não é responsável por poluição sonora em habitação construída após usina

Amazonas Energia não é responsável por poluição sonora em habitação construída após usina

Na ação ordinária que Acássio Ferreira Rocha moveu contra a Amazonas Energia S.A, nos autos do processo 00001424-60.2021 na qual postulou a compensação por dano moral em decorrência de poluição sonora causada por usina termoelétrica nos anos de 2006 a 2019, o autor obteve acolhida dos seus pedidos em primeiro grau de jurisdição nos autos que tramitaram inicialmente ante a Vara Única da Comarca do Careiro da Várzea, no Estado do Amazonas, mas a empresa concessionária de energia recorreu da decisão e demonstrou ao Tribunal de Justiça que as habitações construídas no entorno da Usina se deram após a instauração desta na área indicada como abrangida pela poluição sonora decorrente do funcionamento da termoelétrica. Desta forma, a apelação foi conhecida e provida. O autor interpôs embargos, que foram rejeitados pelo relator Cláudio César Ramalheira Roessing.

A poluição sonora é o tipo mais comum de poluição e praticamente está em todos os lugares onde haja habitação humana, sobrevindo a emissão de ruídos. Esse tipo de poluição gera os seus efeitos nas proximidades das fontes de emissão. No caso concreto, a sentença de primeiro grau fora desfeita porque não se demonstrou a relação de causa e efeito exigido para a caracterização do ilícito civil, pois as habitações foram construídas posteriormente a instalação da usina.

O Artigo 225, § 3º, da Constituição Federal consagrou a tríplice responsabilidade em matéria ambiental, o que também esta previsto no artigo 3º da Lei 9.605/98. Isso implica concluir que a prática de poluição sonora pode ser responsabilizada nas esferas penal, civil e administrativa. Reconheceu-se no acórdão que não se relatou ou demonstrou nos autos nenhum embargo por autoridade estatal ao funcionamento da usina. 

“Em ação ordinária que postulou a compensação por dano moral em decorrência de alegada poluição sonora por usina termoelétrica dos anos de 2006 a 2019, a sentença foi reformada pelo 2º grau após apelação entendimento de que as habitações foram construídos em momento posterior à instalação da usina”.

Leia o acórdão

Loader Loading...
EAD Logo Taking too long?

Reload Reload document
| Open Open in new tab

Baixar arquivo [99.51 KB]

 

Leia mais

Habeas Corpus de ofício em 2ª. instância ocorre somente em caso de patente ilegalidade, julga TJAM

O Defensor Público Fernando Figueiredo Serejo Mestrinho recorreu de decisão monocrática do Desembargador José Hamilton Saraiva dos Santos que indeferiu, liminarmente, pedido de concessão...

Renúncia de advogado implica que parte cumpra dever de constituição de novo causídico, diz TJAM

Nos autos do processo 0004715-68.2021.8.04.0000, o Desembargador Paulo César Caminha e Lima negou provimento a agravo regimental no qual J. L. Chaar Simão-Amazon Print...

Mais Lidas

Justiça do Amazonas garante o direito de mulher permanecer com o nome de casada após divórcio

O desembargador Flávio Humberto Pascarelli, da 3ª Câmara Cível...

Professora de Manaus ganha direito a indenização por contrato temporário que excede prazo de 2 anos

Nos autos do processo nº 0665343-39.2019.8.04.0001 que tramitou na...

Gratificação de motorista de viatura Militar no Amazonas se aplica ao soldo, decide Tribunal

Nos autos do processo nº 0244691-47.2011, em julgamento de...

Últimas

TRF1 mantém condenação de réus por roubo de carga de cigarros

A 3ª Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) negou provimento à apelação para absolver dois réus...

Habeas Corpus de ofício em 2ª. instância ocorre somente em caso de patente ilegalidade, julga TJAM

O Defensor Público Fernando Figueiredo Serejo Mestrinho recorreu de decisão monocrática do Desembargador José Hamilton Saraiva dos Santos que...

STJ: Estado paga perícia em ação acidentária improcedente

Sob o rito dos recursos especiais repetitivos (Tema 1.044), a Primeira Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ) fixou...

Acusado de espancar idoso em via pública é condenado a 37 anos de prisão pelo TJDFT

O Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios condenou Gabriel Ferreira de Souza Vidal a 37 anos e...